31.8.11

#IB - 88° Parte

Suspirei e ele me desceu de seu colo, realmente não conseguia andar. Eles me ajudaram a andar e me colocaram dentro do buggy e fomos para o hospital.

2 horas depois.

Diagnosticados e liberados, não tínhamos nada de grave. Fizeram um curativo em minha perna e recomendaram uma pomada. Para o Justin, bastante hidratante corporal e protetor solar, e que ele bebesse muita água para voltar a se hidratar outra vez. Já no quarto do hotel, Justin foi tomar seu banho e eu fiquei ouvindo músicas em meu iPod.

*Lista de reprodução ON*

A Thousand Miles – Vanessa Carlton.
Hey, Soul Sister – Train.
Billionaire – Travis McCoy feat. Bruno Mars.
Talking to the Moon – Bruno Mars.
Again – Bruno Mars.
When I Look at You – Miley Cyrus.
Can’t be tamed – Miley Cyrus.
Girls Just Wanna Have Fun – Miley Cyrus.
...

*Lista de Reprodução OFF*

Coloquei a música Can’t Be Tamed e comecei a cantar e dançar loucamente, tinha me esquecido do meu corte na perna, e cai no chão. Ri de meu tombo e engatinhei até minha mala para pegar a escova de cabelos em cima dela. Alcancei-a e cantei com o meu microfone improvisado a musica inteira.



Voltei para o tapete e Justin me abraça por trás, estava todo molhado e enrolado na toalha.

- Ei, vem me abraçar molhado é?
- Sabia que dava para ouvir sua voz melódica plenamente enquanto tomava banho? Parecia estar em seu show.
- Não exagera, cantei tão baixinho!
- Baixinho? Daqui a pouco os namorados safados virão aqui te aplaudir, você vai ver.
- ¬¬’ Justin, eu cantei baixo. Nem microfone eu tenho para cantar alto!
- E essa escova é o que?

Olhei para a escova e para ele e revirei os olhos, ri sem graça e empurrei-o. Ele sorriu e pegou suas roupas na mala, me ajeitei no tapete e sentei encostada na parede.

Arrumo uma almofada e vejo Justin de cueca aproximando-se de mim. Deus Grego. Malícia em seus olhos, cabelo e corpo molhados. Não pude resistir, ele olhava fixamente para meus lábios e eu em seus olhos. Quando notei, já sentia sua respiração quente em meu rosto e seu hálito de menta refrescante. Uma mecha de cabelo caiu em meu rosto, ele a tirou e sorriu, sorri de volta e ele encaixou nossos corpos um no outro e nos beijamos.

Seu beijo dessa vez foi diferente, parecia com mais emoção, sentimento, ainda era delicioso, mas dessa vez foi melhor, mais quente, mais mágico, mais tudo. Não queria que aquela sensação acabasse, era ousada e gostosa. Ele me colocou delicadamente em cima dele e beijei seu pescoço. Era voraz com suas pegadas, com beijos picantes, cheios de doçura e carinho. Arranhava suas costas, fazia-o gemer de prazer, sussurrava palavras pervertidas ao pé do ouvido, arrepiando-me toda.

Senti um arrepio na espinha vertebral e vi ao longe sangue e corpos mortos, um homem com um revólver na mão e Justin o atacou, retirando o revólver de sua mão e a policia o raptando para a cadeia outra vez, não deu para ver quem era. Só percebi que tinha a blusa manchada de sangue na região do abdômen e me soltei de Justin, na hora alguém abre a porta e...
........................................................................................................




Wow, que final! O que será que vai acontecer? Quem era o homem no presságio da Thay? Se quiserem saber vão ter que comentar! E só continuarei amanhã e com + de 15 comentários! *---*

Desculpe por postar essa merreca, mas o meu irmão não me deixa escrever mais que uma folha! ): Eu vou tentar escrever amanhã, mas não garanto nada, como eu estou de férias, o meu irmão também está. E nisso fode com tudo. :x’     

Comentário a parte: Vocês estão perguntando se já está acabando e tudo mais, vou responder. Sim, já está no final. Mas não fiquem apreensivas, eu vou fazer outra imagine, e será bafônica! kkk’

Gostaram? Me avisem!

- Giih ♥



30.8.11

#IB - 87° Parte

Thomás se levanta e finca o canivete em minha perna e enforca Justin, me desesperando por completo. Ele apertava Justin, que acaba desmaiando na hora. Estava fraco, já era de se esperar. Tirei o canivete fincado em minha perna e soltei os dois, conseqüentemente, Thomás me agarra e me beija. Tento resistir, não adianta. Olho para Justin, que estava surpreso ao ver aquilo, ele não tinha desmaiado?

Ele segura Thomás pelo pescoço e o desgruda de mim, por mais difícil que fosse. Justin o esmurrou até sangrar, deixando-o desmaiado, ele foi até mim e viu minha perna, pegou sua camiseta que estava amarrada em sua cabeça e delicadamente limpou o ferimento. Pegou-me no colo, me levou até o mini quarto e trancou a porta, ele me olhou atento. Já sabia o que queria, sorri e ele também. Abraçamos-nos e ele gritou de dor de suas queimaduras.

- Por que você ficou sem camiseta Justin? É maluco? Ainda mais andando naquele sol!
- Tinha comida nela, eu a amarrei e amarrei no pescoço, só que fiquei sem água durante um bom tempo.
- Vou ver se arranjo água para você.
- NÃAAAAAO! Agora eu só quero você mocinha, fica aqui e me deixa matar a saudade.

Sorri sem graça. Abaixei a cabeça e uma mecha de cabelo caiu em meu rosto. Ele o levantou e colocou a mecha atrás de minha orelha esquerda e me beijou lentamente.

Magia, malícia e magnitude entre nossos corpos não fazia-nos soltarmos de maneira alguma, queria demais seu corpo quente, queimado e trêmulo. Arrepie-me com uma de suas pegadas em minha coxa e do nada me veio à mente de nós dois em um altar, os dois de roxo, a Pattie e o Jeremy juntos, todos os amigos do Justin de padrinhos e as minhas amigas de madrinhas, ele colocava uma aliança linda em meu dedo anelar, era de ouro cravejado com ametistas e diamantes. Logo em seguida eu coloquei a aliança no dedo dele e nos beijamos. Abro os olhos e separo-me dele.

Olha-me meio confuso e beija meu pescoço e me dá leves mordidas, sentei em seu colo e o olhei sorrindo.

- Acabei de ver algo lindo.
- O que meu amor?

Ele não desgrudava do meu pescoço nem mandando, fazia-me respirar ofegante, era magicamente deliciosa a sensação, mas quis quebrar o gelo.

- Prefiro não te dizer isso agora.
- Ah, começou. Meninas têm isso não é? Dizem que vão falar e depois nem falam, deixam pra depois. Quer me matar de curiosidade Thay?

Ri dele e o selei. Beijei seu pescoço, deixando ele arrepiado e molinho, deu pra sentir que ele ficou bem... Excitado.

- Não vai falar?
- Para que? Não queria matar a saudade?

Ele mordeu os lábios e piscou pra mim, ele segurou forte em minha cintura e me beijou. À medida que me beijava, ia deixando-me no chão e tudo ficava mais quente. De repente ouvimos um barulho, ele saiu de cima de mim na hora e nos olhamos assustados.

- Meu deus, será que o Thomás reviveu?
- Quem disse que ele morreu?
- Pra mim ele morreu tá Justin? Acho melhor nós corrermos daqui logo, vai se ele... Nem vou comentar!
- Ok, vamos sim. Mas, como é que você vai andar com esse machucado na sua perna?
- Andando!
- ¬¬' Sem ironia, por favor.
- Desculpa... Não sei. O que vai fazer?
- Vai entrar areia se for destampado...

Olhou para seu short areado e rasgou um pedaço, limpou e amarrou em minha perna. Sorri e ele me ajudou a levantar. Pegou-me no colo outra vez, mesmo eu negando. Abriu a porta, e vimos uma patrulha policial procurando pistas. Como eles encontraram o estábulo no meio do deserto?

Um deles olhou diretamente para nós dois e virem três deles atrás, junto com o capitão, pelo visto.

- O que dois adolescentes fazem aqui?
- Nos aprisionaram aqui senhor.  
- Espere. Esses não são o Justin e a Thaynara? Os empresários de vocês que mandaram nós procurar-los.
- O Scott leu o meu bilhete? Sabia que serviria para algo.
- Ele bem que falou desse tal bilhete, já levamos o Thomás para a delegacia mais próxima e vamos transferi-lo para a cadeia.
- Muito obrigado senhor policial, agora vocês podem socorrer a minha namorada? Por favor?

Suspirei e ele me desceu de seu colo, realmente não conseguia andar. Eles me 
ajudaram a andar e me colocaram dentro do buggy e fomos para o hospital.
.....................................................................................................


Gatynhas lyndas, graças a deus o sofrimento acabou, não? Quem estava morrendo junto com eles levanta a mão! o/ o/ -NNNN’ querem saber mais? Então... Só continuo amanhã e com mais de 15 comentários! (again, não me matem *o*’) kk’  

Queria agradecer pelos 20 comentários do capítulo passado, pelos 195 followers! *o*’ por todos os selinhos, não tem como eu colocar aqui no blog, mas tudo bem ‘-‘ Eu fiquei muito feliz de ver isso, sério. Amo os followers e leitores que tenho! Love you guys *-* <333’

Comentário a parte: Essa semana eu estou de férias ~~YEAH MAN~~ e eu vou poder postar todos os meus dias úteis, ou seja, dias de semana. Kk’ Já no fim de semana não garanto nada ‘-‘ Mas, se eu não postar, é de extrema urgência ou por que a minha mãe me deixou de castigo, ou por eu ir para a casa do meu pai e não ter tempo de postar. É, são vários motivos. )):     

Gostaram? Me avisem! *-*


- Giih <3


29.8.11

#IB - 86° Parte


Revirei os olhos e levantei da cadeira, ele me agarrou por trás e me grudou na parede, beijava meu pescoço e me prendeu pelos braços, tentava fugir, mas ele me segurava forte, ele ia deslizando suas mãos em minhas coxas, o esmurrava de raiva, mas de nada adiantava. Avistei um canivete dentro de seu bolso e o peguei, coloquei-o em seu pescoço e o olhei tensa.

- Vai mesmo continuar? Coloca a mão de novo na minha coxa para você ver o que merece!
- Não consigo resistir, todos esses dias na cadeia só me fez ver o quanto eu te amo, meu amor.
- Meu amor nada!
Apertei o canivete contra o pescoço dele e ele me olhou convencido.
- Pode ir pegando leve querida, você não teria coragem de me machucar. Sei como é sensível, sabe como posso me vingar e te tratar depois disso, prefere bem ou mal?
- Nenhum! Não quero que VOCÊ me faça nada, nem comigo e nem com o Biebs!
- Foda-se esse “Biebs”. Já não lhe disse que ele morreu honey?
- Ele não morreu!

Comecei a chorar, mas não descolei o canivete do pescoço dele de jeito nenhum. Para que me torturar assim? Já até sei o que ele quer, não vou o deixar abusar, nem a pau. Mas bem que eu posso me aproveitar dessa situação. WHAT? O que eu estou pensando? Endoidei? Eu não pensei isso, não, não, não e não!

- Morreu, pode ter certeza que ele morreu. Aquele frangote não agüentaria nem 
um segundo no deserto!
- Agüentaria sim! Ele é forte, e eu acredito nele.
- Vai começar é? Ele já morreu, um dos meus comparsas encontrou um corpo no meio do deserto, e infelizmente era o seu namoradinho meu amor.
- Hã?

Paralisei-me por completo, soltei o canivete que parou com a lâmina no chão, um milímetro longe do pé esquerdo do Thomás e ajoelhei, caí em lágrimas. Todas as esperanças jogadas fora, ma...mas ele não pode. Ele é forte, ele não morreu...

- O que foi querida? Ficou chocada com a notícia foi? Quer ver o corpo para ver 
que eu não estou mentindo?
- Como pôde?
- Pôde o que?
- Matá-lo ora. Você não tem coração?
- Tinha até você roubá-lo de mim meu amor.
- Vai se fuder Thomás.

Sai correndo derramando minhas lágrimas no chão, ele não o matou! É tudo uma pura mentira, mas se ele disse isso em tom de afirmação... Alguém me puxou fortemente e me jogou no chão, Thomás estava só de cueca e com um pedaço de fita adesiva na mão, rastejei até o quartinho em que ele me prendeu e consegui fechar a porta a tempo dele me pegar. Segurei a maçaneta com toda a força que ainda me restava para que ele não abrisse a porta.

Passavam-se mais de dez minutos nessa guerra. Minhas mãos já vermelhas. Quase me rendendo, sem forças para lutar, soltei a maçaneta e cai no chão com a força exercida pela inércia, ele me olhava cheio de malícia, vi do meu lado a minha salvação, cinzas. Peguei um pouco e joguei em seus olhos, ele gritava de dor. Atravessei a porta e corri até o escritório, e peguei o canivete no chão e coloquei atrás de minhas costas. Tranquei a porta e vi-o correndo até mim. Correu e quebrou a porta com uma pancada e o olhei assustada, ele não desiste mesmo viu? Ele se aproximou e me olhou malicioso, beijou meu pescoço e o esfaqueei no fígado. 

Ele me olhou se rendendo e ajoelhou, desmaiou no chão e coloquei minha mão esquerda em minha boca, vejo alguém abrindo a porta e sorrio gratificante. Quem era? Justin. Thomás se levanta e finca o canivete em minha perna e enforca Justin me desesperando por completo.  
........................................................................................................

First, desculpem-me por postar pouco, é para ter mais suspense no ar! ;x'  

Ráaa beliebers, o final se aproxima cada vez mais. O que vai acontecer? Só Deus sabe. Portanto, existe um porém além do esperado. Ficarão só sabendo do resto amanhã e só se tiver mais de 15 comentários. (não me matem *o*).


Indicações:


Comentário a parte: que capítulo hein? Revolucionário! Thomás morrerá? Thaynara salvará Justin? Eles sairão vivos dessa trama? (virou novela pra ser trama? kkkk') 


Gostaram? Me avisem!


- Giih *-* 

27.8.11

#IB - 85° Parte


Minha mente estava um turbilhão, pensamentos iam e vão, e lembrei um presságio que tive. Era exatamente como estou agora. Toda suja de lama, com trapos velhos e só ouvia os gritos do Thomás de longe mandando parar de chorar, que eu era uma fresca, etc. e etc. Outra vez ele se realizou. Senti um arrepio da cabeça aos pés e vi Justin cambaleando ao sol do deserto, estava encharcado de suor e vermelho pelo sol. Descalço e sem camiseta, engatinhava na areia, sem forças para andar e continuar e desmaiou entre a areia branca.

Voltei à realidade e chorei mais ainda. Refletia entre as lágrimas. Isso parece mais um sinal de que ele está vivo e não morto, mas está à beira da morte, sem nada para beber e comer e queimado pelo sol. Não devia ser assim, eu é que devia estar lá, e não ele. Justin não merece nada disso que está passando, esse não é o destino dele, e sim brilhar nos palcos e fazer várias pessoas sorrirem com sua música e danças sensuais. Outra vez me vinha à mente seu rosto impecável, sorriso perfeito, olhos brilhantes e boca carnuda. Perante o ocorrido, acho eu nunca mais o virei. Mesmo se estiver vivo, Thomás nunca irá deixá-lo me encontrar. Quer nos fazer sofrer tudo o que sofreu na cadeia. Tudo pela velha e fria vingança.

Será que é só uma fase? Aviso? Castigo? O que fiz para merecer isso?

Bateram na porta e abriram-na bruscamente, caí para trás, batendo a cabeça no chão e me levantam, machucando-me.

- Me solta!
- O Chefinho está te chamando gostosa, anda logo.
- Gostosa? Me chamou de gostosa? Vai para a puta que pariu seu cabaço!
- O que disse?
- Te mandei ir para a puta que pariu se não me ouviu. Agora me deixe ir, não preciso escutar conversinha de servo.

Andei até o escritório do lado do estábulo, abri a porta e vi o paraíso. Tinha tudo do bom e do melhor lá dentro. Ar condicionado, frigobar com vários tipos de energéticos, água, refrigerantes... Uma geladeira lo-ta-da de comida, adega com vinhos até franceses e uma mesa de madeira maciça. Pigarreei, chamando a atenção do Thomás, ele me olhou da cabeça aos pés e mordeu os lábios e me olhou tentando me seduzir. Cruzes.

- Para que me chamou?
- Queria conversar com você.
- Então fale logo.
- Sente-se aqui querida.
- Não me chame de querida seu canalha!
- Tudo bem, não chamo se não quiser.

Ele foi gentil comigo? Meu deus, ele quer algo. Mas vamos testar até onde ele vai com isso. Sentei na cadeira na frente da mesa e o olhei atenta.

- Hey, quem disse que eu mandei você sentar aqui?
- Eu sento aonde quero. Você não manda em mim.
- Ok... Mas queria que sentasse em outro lugar Thaynarinha.
- Aonde? E não me chame de Thaynarinha. Thaynara já está ótimo.
- Beleza... No meu colo, tem problema?
- Lógico! Enlouqueceu é? Quer que eu seja seu objeto sexual?
- Como adivinhou?
- Você é um cafajeste mesmo hein?
- Eu só rasguei seu vestido para isso meu amor. 
- Meu amor?
- Sim, você não é o meu amor? 
- Não! Duh. 
Revirei os olhos e levantei da cadeira, ele me agarrou por trás e me grudou na parede, beijava meu pescoço e me prendeu pelos braços, tentava fugir, mas ele me segurava forte, ele ia deslizando suas mãos em minhas coxas, o esmurrava de raiva, mas de nada adiantava. 
..............................................................................................

Gaatinhas! Tudo bem com vocês? -qn Desculpa por escrever pequeno, mas to meeeega enrolada aqui em casa ;x' 

Comentário a parte: Morri com o Thomás fazendo isso com a Thay, MAAAAAALDITOO.  

Indicações: 



Tenho um comunicado a dar. Amanhã não vou postar. infelizmente. ): Mas  na segunda-feira surpresas estão por vir! *o*'  
But, só vou postar com mais de 10 cometários! ~~ Everybody comenting~~

- Giih *-* 


26.8.11

#IB - 84° Parte


Sentei no chão e comecei a chorar rios de lágrimas, não importo com o que acontecerá comigo, mas e com o Justin? Ele está nas mãos daquele bandido e com uma arma apontada para sua cabeça, e desmaiado ainda por cima. O que vou fazer?
Liguei para o Scooter, que não atendeu o celular. Liguei para a Aileen que também e não atendeu. Mexi em todas as minhas coisas no banheiro e vi um lápis de olho. Peguei-o e retirei um pedaço de papel higiênico e escrevi nele:

Para quem ler esse bilhete improvisado, quero que saiba que o Thomás está atrás de mim e não sei o que ele irá fazer comigo, e com o Justin, então, por favor, me procure.
Ass.: Thaynara Cagnini



Terminei de escrever e deixei em cima da pia de mármore. Destranquei a porta e levei uma paulada na cabeça.

~~ Mode Justin ON ~~

Estava dentro de uma camionete, amarrado com cordas e fitas isolantes, amordaçado com um pano sujo e na carroceria. Olhei por dentro dela e vi Thaynara desmaiada no banco de trás, Me desesperei, não tinha como fazer nada para salvá-la. Olhei para a paisagem, estávamos em um deserto, e pararam o carro bruscamente, bati a cabeça no vidro e alguém desceu do carro, fingi estar desmaiado e ouvi uma voz:

- Pode deixá-lo ai, não quero que ninguém o encontre. E ele nunca achará o caminho de volta mesmo. Não irá me atrapalhar seu cantorzinho de quinta categoria.

Alguém me pegou e me jogou na areia fervente e ouvi o barulho das portas se fecharem. Abri os olhos e vi-os sumirem no horizonte imenso. E agora? O que acontecerá com a minha princesinha?

Tentei me soltar, não deu em nada. Estava quente e seco, morria de sede e fome. Não tinha nada, absolutamente nada onde estava. Só via escorpiões passando correndo e aranhas também, nada pequenas elas, mas nem passavam perto de mim. Até que vi uma víbora se aproximando. Ah, agora sim o medo me dominou. Fiquei estático. Nem respirava. Ela passou reto e respirei aliviado. Mas, e agora? O que vou fazer sem comida? Sem ter como me soltar? Deitado, curvado e amarrado sobre a areia, tentava cortar a corda com uma pedra que estava do meu lado, esfregava meus pulsos fortemente na pedra até que consegui depois de alguns minutos me soltar. Tirei o pano que cobria minha boca e joguei-o para longe. Desamarrei meus pés e tirei a fita isolante que restou nos meus pulsos. Levantei sem forças e comecei a caminhar pelo deserto escaldante. 

~~ Mode Justin OFF ~~

Acordei com o modo que me jogaram no chão, vi que estava amarrada com fitas isolantes e que estava sobre o feno amarelo, pinicava muito. Observei tudo ao meu redor, parecia estar em um estábulo. Estava vazio, só tinha cavalos lá dentro. Thomás? Nem sinal dele. Comparsas? Nem eles. Parecia mais um deserto enfenado com cavalos pretos australianos. Estava escuro, não conseguia me mexer. Voltava à memória do bilhete que tinha escrito, será que alguém notou a nossa ausência e foi nos procurar? MEU DEUS. E o Justin? Onde está? Tentei me contorcer para alcançar meus pulsos perto de minha boca, ainda bem que não me amordaçaram. Tirei as fitas que prendiam meus braços e soltei minhas pernas. Levantei com dificuldade e explorei o lugar e alguém me prende pelos braços.

- Onde pensa que está indo garota?
- Me viu soltando as cordas e não me ajudou? Seu cabaço, por que hein?
- Não trate assim meu ajudante sua vagabunda. Pode ir Ben, me deixe sozinho com ela.
- Beleza chefe.

Ele saiu e trancou a porta do estábulo, Thomás me enforcou e me colou na parede.

- Agora você é minha escrava garota, não quero mais que fale assim com meus comparsas, está ouvindo? Você ME pertence agora.
- Te pertenço? HAHAHAHA' Thomás, você não tem o direi...

Ele apertou o meu pescoço mais forte ainda, me deixando totalmente sem ar, suava frio e estava arrepiada.

- NÃO ME TRATE MAIS ASSIM! Ninguém irá te encontrar aqui, seu namoradinho está longe de alcance.  Você está no meio do deserto australiano, nunca irão te achar!
- Você que acha! O Justin irá me encontrar! Nem que demore dias!
- Não acho nada, tenho certeza. Agora quero que você entre naquele quarto e pegue uma coisa para mim.
- Não vou!
- Ande ou eu te mato. Por que acha que eu tenho cinco comparsas a minha disposição querida? A qualquer desrespeito a minha pessoa ou a eles, você irá ficar do ladinho do seu namorado, que já deve ter morrido faz tempo!
- NÃO! Você o matou? Thomás, você não fez isso!
- Fiz, fiz e faria de novo.
Eu o olhei tremula e uma lágrima caiu de meus olhos, como ele pode matar alguém? Logo o Justin? MALDITO SEJA O THOMÁS.
- Você não o matou... Não seria capaz disso!
- Sou, fui e ainda serei capaz de te matar se não obedecer a mim garota. Entra logo naquele quarto e pegue o que eu quero!

Fui até o quarto que ele apontou, não conseguia me conformar. Não cai a ficha. Ele não morreu, dá para sentir.  Entrei e ouvi-o batendo a porta e a trancando. Bati na porta desesperada e gritei para ele me soltar de lá, ninguém respondeu e me arrastei na porta e sentei no chão, soluçava muito, chorava e chorava não, ele não o matou! Ele não pode ter matado o Justin, ele não seria capaz, nunca mesmo!

Gritava pedindo socorro, chamando o Justin. Olhei minha roupa, estava toda suja de lama e ele rasgou o meu vestido branquinho, pareciam trapos velhos, com rasgados gigantes, ele conseguiu deixar a saia do meu vestido muito curta. Não sou puta para usar uma roupa dessas! Nunca!

Estava com o rosto inchado e molhado de tanto chorar, completamente sem voz de tanto gritar e suja de lama. Só conseguia escutar ele gritando comigo e me lembrando do Justin desmaiado nos braços daqueles homens. A última vez que eu vi ele, foi por conseqüência minha! Ele devia estar em esperando, quieto e ansioso e meteram uma paulada em sua cabeça, fazendo-o desmaiar ou o sufocaram até ele ficar sem ar.

Por que o tratei daquela maneira? "Se encontrar a minha irmã gêmea me avisa" Eu fui muito idiota. Idiota ao quadrado. A culpa é TODA minha.

Não vou conseguir viver sem ele e com o Thomás me torturando, será difícil admitir que a culpa seja minha e que ele morreu por minha causa. Não consigo parar de pensar nele e no seu sorriso comovente, seu olhar marcante... E de como nós fomos felizes juntos. 

Nossos momentos de guerra e amor me fez pensar na pessoa que perdi, de como ele era especial. Só de lembrar o sorriso dele já me dava uma dor no coração, pensar que nunca mais verei meu anjo que me fez delirar com seus beijos pecadores e sedutores, rir com suas piadas sem graça, cantar deixando nossos fãs morrendo de alegria, irritando nossos empresários. Dele com ciúmes de mim, por causa daquele rumor com o Pablo. Dele pedindo desculpas mais de mil vezes. Dele me consolando quando eu tinha os presságios que mais me fizeram sofrer, dele apertando a minha mão e me dizendo que tudo ficaria bem.

E só de pensar que nunca mais escutarei sua voz melódica outra vez, aquela que eu odiava mais do que tudo, que agora amo, e que nunca irei esquecer. 
............................................................................................................




Gatas, desculpa por postar mais tarde, é que umas amigas minhas vieram aqui em casa e nós fizemos a bagunça. kkk' 

Fala sério, isso não é de gelar o coração? Juro juradinho de dedo mindinho para vocês, que chorei quando estava escrevendo. (yn) Não consegui me conformar com isso, na tragédia maldita que eu fiz. E ainda não me conformei! queria tanto escrever mais. Mas, só vou continuar com mais de 10 comentários! Querem saber o final? Então todo mundo comenta! \O/ -qn  

Gostaram? Me avisem! 

- Giih. *---*


25.8.11

#IB - 83° Parte


Passamos o final da tarde na piscina, jantamos no restaurante e cada um foi para seu respectivo quarto. Entrei no banheiro correndo fugindo do Justin e  tranquei a porta. Ele tentou abri-la e não obteve sucesso, ri da cara dele.  

- Não vai conseguir me pegar!
- Ok, vou esperar você sair até eu ter o que devo.
-E o que você deve?
- Uma coisa secreta.
- Ah, segredinho é?
- Com certeza, por quê?
- Ah Biebs! Me conta vai, senão não saio daqui.
- Chantagista de carteirinha não é? Tá bom, eu conto. Agora destranca essa porta.

Destranquei vagarosamente e ele pulou em cima de mim, me encheu de beijos e mordidinhas de arrepiar da cabeça aos pés.

- Aiaiai’ Justin!
- Só estou tendo o que devo. Minha namorada a sós comigo e só para mim.
- Aww, seu fofo. Era só isso que queria?
- Não, nem comecei ainda.

Ele me olhou e mordeu os lábios e piscou para mim, coisa boa é o que não é. Esse rosto de pervertido dele... Sem condição. É muita fofura para uma só pessoa. Apertei a bochecha dele e o empurrei para fora do banheiro.

- Hey! Já disse que não tinha terminado!
- Você nem começou babe, agora me deixe tomar um banho. Meu cabelo mais o cloro não combinam.
- Hahah’ Ok amor, mas se prepara pro papai aqui.
- Já disse que você é convencido?
- Sim, duas vezes.
- Então, meu convencidããããão, Para de se achar o gostosão e vai ver se eu estou na esquina.
- ok, vou lá ver.
- what?
- Você não me mandou ir ver se estava na esquina? Então, vou lá ver!
- Pode ir, se achar a minha irmã gêmea me avisa.

Fechei a porta e me mordia para não rir, ele é um abobado. Tomei meu devido banho, vesti minhas roupas íntimas e me enrolei na toalha, abri a porta e espiei o quarto. Nem sinal do Justin. Será que ele foi mesmo? :s. Entrei no quarto e fiquei de joelhos no carpete para pegar meu secador dentro da mala. Sinto uma mão gelada percorrendo meu pescoço e me arrepio inteira, onde ele se esconde? Debaixo da cama? .-. Me virei e levei um susto.

- Thomás? O q..que faz a..aqui?
- Thaynarinha, que saudades da minha garotinha... Te peguei no flagra não é?
- Flagra? Hã?
- Se vista logo.
- Não! Você não manda em m...

Ele tampou minha boca com um pano e me impediu de gritar. Gritava pelo Justin. Vi dois homens segurando Justin pelos braços. Estava desmaiado. Tentativas em vão!

- Vai se trocar?

Afirmei com a cabeça, estava sem ar. Ele tirou o pano de minha boca e gritei pelo Scott, ele pegou um revólver e apontou para a minha cabeça.

- Grita outra vez! Vai! Grita que eu te mato!
- Solta ele!
- Só solto se você se vestir.
- Ele primeiro.
- Não, você primeiro ou ele leva.

Ele apontou a arma para Justin, estava tensa e trêmula. Não quero que o mate, prefiro morrer por ele.

- Ande logo garota!

Peguei a primeira roupa que vi na mala e corri até o banheiro, tranquei a porta e peguei meu celular. Liguei para a polícia, sem sinal. Como sem sinal? Estava no terceiro andar, não tem como pular da janela. O único jeito é se entregar mesmo. Sentei no chão e comecei a chorar rios de lágrimas, não importo com o eu acontecerá comigo, mas e com o Justin? Ele está nas mãos daquele bandido e com uma arma apontada para sua cabeça, e desmaiado ainda por cima. O que vou fazer?
...........................................................................................................


Gatásticas do meu coração! Matei vocês não é? Também morri com isso. .-. Só eu mesmo pra escrever loucuras loucas assim. :s Desculpem me por escrever pequeno, mas é para ter mais um suspense básico, sabe? kkk'

Indicações:

Suspense total nessas horas. Mas só continuo com mais de 10 comentários! Não vou matar vocês dessa vez. :x’ quero ver todo mundo comentando! Quem quer saber o final? o/ o/ o/ -nnn

Gostaram? Me avisem! *-*

- Giiiih *-*