31.1.13

#IB - Little Angel: Capítulo 65

Este capítulo contém partes impróprias para menores. Você lê se quiser, não irei te obrigar a nada. 

A mão dela ainda acariciava meu abdômen enquanto nos beijávamos, me deixando arrepiado com as leves unhadas que ela me dava. Puxei sua cintura para baixo, colando nossas partes íntimas e segurei fortemente em seus quadris, friccionando-a ali. Como ela estava com seu blusão maravilhoso, conseguia sentir a sua excitação também por sua calcinha estar encharcada, digamos assim.

Estava muito duro, muito excitado e não estava acreditando no que acontecia comigo agora. Ela seria só minha. Seriamos um só esta noite.

Ela gemeu entre o beijo e senti que a coloquei em um ângulo perfeito para alcançar seu clitóris e, consequentemente, seu orgasmo, apenas a deixando ali, movimentando levemente seus quadris. Tombei minha cabeça para trás e Angel me olhou nos olhos, exausta. Aquele brilho inocente estava perdido em um mar de luxúria cor de mel, que me deixou completamente excitado. Mais do que eu me encontrava.

Ficamos nos fitando, apenas ouvindo os respiros ofegantes de ambos e ela olhou para baixo, notando que sua mão continuava ali e ela sorriu levemente, pegando na barra da minha camiseta e a erguendo, tentando tirá-la de meu corpo. Ergui meus braços para ajudá-la e joguei a camiseta para um canto qualquer do quarto, percebendo que ela fitava o meu precioso com desejo.

Eu digo e repito: Quem não pira no meu precioso?

Peguei em sua mão e a passei pela extensão do meu abdômen, tentando não gemer enquanto movimentava-a lentamente nos meus pontos sensíveis. Angela me olhava hipnotizada, respirando ofegante também. Molhei meus lábios e ergui o olhar dela, fazendo nossos olhos se encontrarem e olhei discretamente para sua boca perfeitamente rosada e pronta para mim. Passei meus dedos em seus lábios e ela fechou os olhos, os mordendo em seguida.

Acho que estou no paraíso. Porém irá de ficar melhor se seguir adiante. Segurei na barra de seu blusão e a olhei com dúvida. Não sabia se era queria ir adiante.

- Posso? – perguntei, mordendo meus lábios.

Angel assentiu apressada e sorri, levantando seu blusão e esperava ansiosamente para ver o que essas roupas largas escondiam. Estava chegando à base do seu sutiã e respirei fundo, olhando para ela. Fiquei admirando seus olhos e olhei para a porta, como um leve reflexo. Forcei a vista e vi meu irmão ali, junto de Carly, que assistiam a cena, ansiosos também.

- Você não sabe bater, Jason? – perguntei grosso.

Angel me olhou confusa e virou, vendo sua irmã ali e fechou os olhos, abaixando sua blusa e saindo de cima de mim, andando até a porta. Carly a olhava amedrontada, assim como meu irmão, e sorri maldoso, esperando que ela fizesse algo cruel a eles por ter me atrapalhado a ver aquelas duas maravilhas que ela esconde com o sutiã. 


- O que você viu? – perguntou ela, quase rosnando e se dirigindo a Carly.
- É... – ela olhou para Jason e voltou a olhar para a irmã – O be-beijo e vocês tirando su-suas roupas...
- E porque não bateu? Queria dar uma de precoce e ver no que dava? – disse ela, exalando raiva e vergonha.

Angel revirou seus olhos e passou a língua nos dentes, olhando para meu irmão e respirando fundo.

- Eu imagino que vocês despertaram certa curiosidade por terem dado de cara com essa cena – vi suas bochechas corarem rapidamente, deixando seus ombros caíres –, e ainda bem que o Justin viu vocês ali. Vocês dois não tem idade para isso, viu? Cada coisa no seu tempo...
- Mas o Justin viu isso quando ele tinha 14... e era na TV.
- Menino! Cala essa boca!

Angel me olhou rindo e abraçou meu irmão, praticamente o colocando entre seus seios. Era para eu estar ali. Bufei e Angel suspirou, ainda olhando para os meninos.

- Não te aconselho a fazer o que seu irmão fazia, seja um cavalheiro e trate as meninas como princesas.
- Como se eu não tratasse... – disse em um tom alto, se dirigindo a ela.
- Não te usei como exemplo! Se por acaso se sentiu ofendido, foi porque fez algo de errado em relação a isso, não é?

Ela me lançou um olhar convencido e abri minha boca para falar, mas notei que Angel estava certa e a fechei, cruzando os braços. Ela riu de mim e mostrei minha língua para Angela.

- Viu? Não siga os exemplos dele. E você, Carly, seja você mesma e pronto, não precisa ser atirada, e nem dar em cima de outros. Você tem o seu príncipe aqui e ele a sua princesa.

Os dois se entreolharam e sorriram sem mostrar os dentes, sem graças. Angel também fez o mesmo, prendendo seu cabelo em um coque com ele mesmo.

- Hm, o que queriam para terem vindo aqui?
- Queria te mostrar minha pintura. Mas você está ocupada, então...
- Que isso, não estou mais. – ela deixou escapar um risinho e seguiu os meninos.
- Não acredito que eles me esqueceram. – sussurrei, assentindo lentamente com a cabeça e suspirei.

Estava tão perto, tão perto. Queria sentir a excitação dela penetrando na minha, seus gemidos me enlouquecendo e arrepiar-me com seu toque safado em meus pontos sensíveis. Se essas crianças de hoje não fossem tão curiosas, estava dentro dela há alguns minutos. Molhei meus lábios e tampei meu rosto com minhas mãos, passando-as em meus cabelos e notei que ela já estava na porta outra vez, fechando-a. Sorri malicioso e Angel sentou na cama, me olhando deslumbrada.

- Era tão... lindo. – disse ela, sorrindo e deitando de bruços, apoiando sua cabeça com as mãos, que eram sustentadas pelos cotovelos escorados no colchão.
- O que era?
- Eles dois de mãos dadas. E ela segurava a rosa em uma das mãos. Muito meigo!
- Deve ser mesmo... – olhei para ela com as sobrancelhas erguidas e molhei meus lábios – Por que deitou ai?
- Qual o problema de eu deitar na minha cama?
- Não quer deitar no precioso? – sorri maroto e ela revirou os olhos rindo, erguendo uma sobrancelha.
- Não agora.
- Por quê?! Ele sente sua falta. 

Fiz bico e Angel riu de mim, levantando e sorri entusiasmado, deitando na cama e ela deitou sobre meu peitoral, enlaçando nossas pernas e roçando-a outra vez em meu amigo. Mordi os lábios e ela me olhou inocente, puxando minha mão e a colocando em sua cintura e sorri entendendo o recado, puxando-a para perto de meu corpo. Angela se aconchegou ali, deixando suas mãos em meu peito, e aquela mesma mão boba em meu abdômen, fazendo as mesmas carícias de antes.

Estava ficando duro de novo e minha pele se arrepiou inteira. Ela adora provocar.

- Antes que você pergunte, sim, é de propósito e não, não quero continuar o que estávamos fazendo. Não depois daquilo. 

- Mas por quê? Não estava gostando?
- Claro que estava, foi um momento inesquecível, mas perdi a vontade. Desculpe.

Ela me olhava com uma carinha decepcionada e sorri, abraçando-a forte e beijei sua testa.

- Tudo bem meu anjo, não vou te forçar a fazer nada que não queira. Mas que você me deixa louco, é fato.

Angel sorriu sem graça e a aninhei em meus braços, juntando mais nossos corpos e segurei em sua cintura. Não foi dessa vez, mas irei fazer esse dia ficar na história e para sempre em nossas mentes. Sorri um pouco malicioso, planejando algumas coisas e respirei fundo, imaginando o quanto seria perfeito vê-la corada e extasiada de prazer. A minha Angel cedendo a mim, confiando em mim.

Em meio a esses pensamentos pervertidos, comecei a lembrar de tudo que passamos juntos em pequenos fragmentos, vendo as cenas em sequência, desde aquele dia na porta de casa até agora. Não sei como nunca reparei nela. Se bem que a Carol eu já tinha visto diversas vezes, mas nunca reparei nela

A Carol sempre estava com a Jenny, que não mudou nada, e uma garota de óculos que sempre estava lendo algum livro quando batia meu olhar nela. E segurando mais um monte nos braços, todos enormes. Ela usava casacos que eram o dobro do seu tamanho, como os blusões da Angel. E calça jeans, que nunca parei para olhar se era colada no corpo ou não.

Olhei para a estante de livros e reconheci um dos livros que a vi lendo uma vez. E, por incrível que pareça, era um de Shakespeare. Hamlet. Veio-me uma cena em minha mente. Eu deveria ter uns quinze anos quando a reparei pela primeira vez. A garota de cabelos castanhos, sentada em um banco ao lado dos armários e com um livro muito grande no colo. Ela era um pouco mais nova que eu, talvez uns dois anos.

Seus óculos e o casaco marrom que poderiam caber duas dela dentro eram o que chamavam a atenção nela. Os cabelos de pontas cacheadas caíam nos livros e ela os ajeitou, fazendo um coque bagunçado com o próprio cabelo, voltando a ler. Seus olhos seguiam de acordo com a leitura e a menina ajeitou os óculos que quase caiam. Carol estava ao seu lado, em pé e me lançando olhares nada discretos e Jenny conversava com David.

Na época eu e David éramos colegas no basquete. Nunca fui tão íntimo como sou com os caras, mas sempre conversávamos e ele me dizia que adorava a Jenny. Eu lembro que o Chris chamava aquela garota dos cabelos castanhos de nerd ou de quatro olhos. Ela era até que bonitinha, mas nunca consegui ver seu rosto direito. Ela sorriu em meio à leitura e virou a página. Que sorriso lindo. O mais lindo que tinha visto em toda a minha vida. Chaz me cutucou e me puxou para longe dali, fazendo Carol acenar e revirei os olhos.

Voltei a mim e olhei para Angel, um pouco controverso com meus pensamentos.

- Eu posso ver uma coisa no seu guarda roupa?

Ela me olhou confusa e ergueu as sobrancelhas, sorrindo maliciosa. Revirei os olhos rindo e neguei antes que ela pensasse mais sobre isso.

- Relaxa, não quero ver suas roupas íntimas. Mas eu posso?
- O que quer olhar?
- Quero ter certeza de uma coisa.
- Hm, tudo bem.

Angel levantou de meu colo e sentou sobre as pernas. Levantei da cama e o abri, vendo o casaco marrom ali. Sorri e o tirei do cabide, chamando-a com os dedos.


- Pode vesti-lo para mim?
- Mas não estou com frio, Justin.
- Eu disse que quero ter certeza de uma coisa, não disse?
- Ta bom, eu visto. Vira de costas.

Virei e mordi os lábios, desejando muito vê-la apenas de roupas íntimas. Mas não seria possível, então...

- Pode virar.

Voltei a minha posição anterior e ela estava com o casaco, e ele não deveria ter mais que quatro dedos abaixo da cintura dela e estava colado em seu corpo.

- Você ainda tem seus óculos?
- Tenho sim.
- Pode pegá-los?

Angela assentiu e andou até seu guarda roupa, erguendo os braços e ficando na ponta dos pés, me deixando ter uma visão ampla de seu bumbum. Ergui uma de minhas sobrancelhas e mordi levemente meus lábios, vendo que ela conseguiu pegar o que queria e o casaco abaixou, me fazendo disfarçar a excitação do momento. Angel voltou com uma caixinha de óculos preta e os colocou, sorrindo.

Era ela. Aquela garota dos cabelos castanhos e do sorriso mais perfeito que tinha visto. Estava sem palavras.

- O que foi? Parece pasmo – ela riu e deixei meus ombros caírem.
- Estava me lembrando do dia que reparei em você.
- Mas porque eu tive que me vestir assim?
- Não tinha certeza se era você mesmo. Mas já vi que era.

Angel entortou a cabeça para a esquerda, franzindo a testa e ri dela, abraçando-a.

- Eu tinha quinze anos. Tinha acabado de entrar no West High, digamos. Se não me engano, fazia uns três meses que estava lá. E eu te via apenas com esse casaco e com os óculos, sempre com um livro nos braços. No dia que parei para reparar em você, estava assim, e lendo Hamlet.
- Nossa. Você se lembra disso? Eu juro que só ouvia seu nome, porque a Carol não parava de falar em você. Mas eu estava mais vidrada nos livros e nos estudos do que nos garotos.

Rimos juntos e olhei nos olhos dela, acariciando seu rosto.

- Eu queria tanto ver seu rosto, ver a cor dos seus olhos. E eu nem sabia seu nome. Mas com o tempo acabei me esquecendo da menina do sorriso lindo e do casaco marrom para continuar com a fama de pegador. Não tinha ideia de que iria se tornar tão linda, se bem que você já era, porém está muito mais.
- Assim você me deixa sem graça, sabia?

Ela sorriu corada e sorri de volta, beijando seus lábios e em seguida sua testa, aninhando-a em meus braços. Meu destino com Angel estava traçado há anos e eu não sabia. Não sabia que a garota dos cabelos castanhos e do casaco marrom seria a que eu mais amo hoje, aquela que eu daria a vida. Sorri ao pensar isso e peguei em suas mãos, levando-a para a cama e deitamos na posição que estávamos.

Fiquei brincando com seu cabelo e nem notei que ela havia dormido em meu peitoral. Sorri ao notar que ela não me respondia por estar dormindo e apaguei a luz, fechando os olhos e tentando dormir.

Adivinha a primeira imagem que me veio na mente?

A linda menina de cabelos castanhos e do casaco marrom, é claro.

E seu sorriso estonteante.

Pensei comigo mesmo a sorte que tenho por tê-la comigo hoje. Aliás, ela não é sorte, é uma benção. É um anjo que caiu na terra só para dar um jeito em mim e me deixar completamente doido.

Doido de amor por ela.

***

Hey Geliebers! 

Consegui postar, aleluia. Deixei de fazer umas tarefas para escrever, mas vou fazer todas mais tarde, haha. Enfim, ficou um amor, não acham? Trollei vocês também, né? Como eu amo ser má :3 Eu digo e repito: a primeira vez deles será PERFEITA, já tenho tudo planejado, mas só falta encaixar em um capítulo. Paciência meninas, paciência. kkk

Como eu disse, não sei quando posso postar de novo e vou fazer os dias de postagem de cada autora, mas vou esperar a Gi chegar de viagem para organizar tudo isso. Ah, e vocês gostaram dos desenhos? Minha amiga desenha demais, fala sério *-* 

Só continuo com mais de 40 comentários *-*

Indicações:

Respostas para o comentário:

Imagine Belieber.

Eu tirei de um livro, Wake. É o primeiro de uma trilogia, e eu estou lendo o último livro, que chama Gone. Só que no livro só tem o poder dos sonhos, e as pessoas que adentram nos sonhos das pessoas não tem um nome específico e mais poderes, como na minha. Eu só melhorei a ideia do livro e tal. Recomendo ele, sério. Muito legal, é um romance com bastante "ficção científica", só em relação aos sonhos doidos que a personagem principal entra. Ah, e lá tem a Sra. Stubin também, mas ela é boa no livro e ainda morre no primeiro de velhice. 

Gostaram? Comentem! 

Para um fim de post, uma frase para vocês. 

"Talvez eu seja apenas mais um talvez, tentando ser certeza. Tentando ser para sempre, e parando sempre pela metade."
 Caio Fernando Abreu.  

Linda *-*

Amo vocês meninas! 
Beijinhos, da Gih. 

30.1.13

#IB - Blue Jeans: Capítulo 36

Não é fácil para mim, deixar para lá
Pois eu engoli cada palavra
E cada cochicho, cada sussurro
Corrói esse meu coração
E há um vazio em mim agora
Sweet Nothing

                                                         
-Hey cara

-Pode falar agora ?

-Agora eu posso, ela ta saindo daqui agora.

-Está indo pra onde ?

-Disse que ia sair com uma amiga, Selena.

-Selena Gomez ?!

-Não sei, ela não queria que eu soubesse... Deve ser, não deu pra ouvir muito bem a conversa.

-Mas você é uma idiota mesmo, fica o dia inteiro com a vadia da garota e nem sabe com quem ela vai sair .

-Não fala assim comigo não querido, ta pensando que é quem ? Só porque fez uma bosta de faculdade de fotografia fica se achando. Não se esqueça que você trabalha pra TMZ assim como eu !!

-Tá, tá ! Mando quantos carros segui-la ?

-Eu que sei, mas não coloca muitos porque a garota não é burra. Poem um atras dela e um atras da Selena, quando chegar ao local do encontro manda outros .

-Mais alguma informação pra colocar de legenda .

-Ela praticamente afirmou que tem algo com o Bieber, não falou mas deu uma risadinha quando toquei no assunto.

-Transformarei essa risada em uma sentença .

-Ah ! Tudo bem tia, passo ai depois ... manda um beijo pra minha prima.

-Com quem estava falando Cressy ? - perguntou Ellen
                                                   
                                                Justin mode on

Alice só podia estar brincando comigo. Não a encontrei no camarim e estava a um tempão no estacionamento esperando por ela, quando Ellen veio falar comigo.

-Justin !

-Oi

-Alice pediu pra avisar - ela fez uma pausa, parecia cansada de uma corrida

-Pediu pra avisar...

-Pediu pra avisar que está te esperando na porta do estúdio, no outro lado .

-Certeza disso ? O carro dela está aqui.

-Tenho sim, vai logo garoto - disse arfando

-Tá legal, calma.

Deixei Ellen lá, tentando recuperar o fôlego. Liguei para Ali no caminho até a entrada do estúdio, mas nada dela atender. Já estava ficando irritado. E só piorei quando cheguei ao lugar marcado e não a encontrei. Muito estranho, parece que ela está... fugindo de mim.

                                            Alice mode on

                       Então, como sabiam que eu estaria aqui e agora ? 

Presa. Era assim que me sentia : presa. Presa dentro de meu carro, presa em uma atuação, presa em um mar de mentiras. Minha mente vaga pelos lados obscuros de minha vida, trazendo a tona tudo que esta acontecendo. Minha mente consegue formar apenas um pensamento claro : estou perdendo o controle.

Esse plano de Justin não está funcionando, está apenas conturbando nossas vidas, e me fazendo mentir para quem mais amo. Naquele momento, dentro de meu carro, com o vento do ar condicionado batendo em meus cabelos, tomo uma decisão. Não vou mentir, nem esconder nada de ninguém. Dei uma chance a Justin de usar esse plano, agora é vez do MEU plano.

Plano ? Não. Uma vida não pode ser definida em planos. E sim, em decisões, atitudes.

No momento seguinte estou mais atenta. Como uma águia pronta para lançar vôo e atacar. Olho para os lados através dos vidros escuros de meu carro, e escolho a melhor posição . A minha direita dois seguranças tentam retirar os fotógrafos de perto de meu carro, do lado esquerdo dois mantendo a porta de acesso ao restaurante livre com mais dois em frente a porta. Agarro minha bolsa e saio do carro em disparada ao lado esquerdo.

Tropeço em algumas pessoas, sou empurrada, mas logo consigo entrar no local. Ajeito o cabelo com as mãos, já que foram bagunçados por todo esse avoroço. Coloco a bolsa tira-colo e avisto Selena. Sentada em uma mesa a uns tres metros de mim. Respiro fundo fitando-a e vou em direção a ela.

Um garçon  arrastou a cadeira e eu me sentei. Esperei Selena falar algo, mas ela tambem estava esperando que EU falasse algo, ate porque eu que a convidei para uma conversa.

-Oi
-Oi - disse ela me fitando muito atentamente -

Olho para os lados e volto a falar.

-Quando você chegou eles já estavam aqui ? - perguntei olhando em direção a parede de vidro onde pudia avistar os fotógrafos -

-Alguns, quando voce chegou apareceram mais, um pouco estranho ... mas estou acostumada.

-An...

-Então Alice... o que você quer conversar comigo?

-É sobre o Justin... sobre nós.

-Eu sei que vocês estão juntos, por mais que neguem

-Não vou negar mais Selena, nós estamos mesmo juntos. Mas eu vi uma notícias ... sobre você.

-Querida, não acredite em tudo que lê.Sei de quais notícias você está falando : ´´Selena Gomez entra em depressão ´´ ´´Selena não come mais ´´ e bláblá . Mas é tudo mentira. Estou ótima. Tive uma conversa muito sincera com Justin, e não quero o mau de ninguém. Pode acreditar.

-Eu acredito, estou muito aliviada por ouvir isso de você. Não conseguiria viver feliz com Justin sabendo que essa felicidade custa a tristeza de alguém .

-Você é tão pura, uma pessoa boa .Sei porque Justin se apaixonou. Também sei que não o roubou de mim. Simplesmente aconteceu, nada é pra sempre.

-Disso eu discordo, mas fico feliz por ter esse pensamento sobre mim. Realmente não pensei que escutaria isso de você.

-Você pensou o que ? Que eu iria te xingar, gritar ? Dizer que roubou o Justin de mim  ? Não sou assim Alice, já passou. É claro que eu sofri, mas estou bem. Não quero confusões, brigas nem meu nome envolvido na relação de vocês.

-Também não queria que isso estivesse acontecendo, sinto muito .

-Tudo bem. Mas ... era só isso ?

-Era só isso sim

Paro um pouco para pensar se falta algo a dizer. Mas nada vem a cabeça agora.

-Sinto muito.

-Não sinta - ela fala muito sinceramente apoiando sua mão direita em cima da minha.

Minha garganta roça, sei que há mais uma pergunta. Mantenho nossa posição física e retiro as palavras que estavam engasgadas .

-Quando veio a tona sobre vocês, como foi ?

Selena hesita me observando atentamente.
-Pensei que ia demorar mais pra perguntar. Bom, foi um caos. Por ambas as partes serem uma figura pública nosso relacionamento acabou virando notícia por dias e dias. No começo foi difícil, negamos... mas novas fotos saíram e quando percebemos não estávamos enganando mais ninguém. Apareceram os haters... essas coisas.

-Comigo está sendo a mesma coisa, infelizmente ...

-Aposto que foi Justin quem teve a ideia de esconder o relacionamento

-Se fosse uma aposta, você ganharia . Mas agora é minha vez de escolher o que fazer.

-Faça isso antes que as coisas piorem.

-Era só isso Selena, obrigada por me ouvir e desculpa qualquer coisa.

-Eu que tenho que agradecer por me dar a chance de me explicar, de não ficar como vilã.

-Acho que no momento metade do mundo está pensando que eu sou a vilã e a outra parte pensando que você é a vilã.

Damos uma gargalhada e Selena pega sua bolsa, faço o mesmo .

-Queria ficar mais Alice, mas não posso .

-Ah ! Tudo bem -me levantei e ela fez o mesmo- É melhor sairmos juntas - ela assentiu com a cabeça e saímos -

O número de fotógrafos aumentou mas a quantidade de seguras também. Demorei pra chegar em casa por causa do trânsito. Justin já havia me ligado três vez e mandado cinco mensagens. Desliguei o celular na tentativa de parar de encara-lo . Se não tivesse omitido o que fiz de Justin estaria totalmente leve, mas sei que fiz o certo, acho que fiz .

Quando estava saindo, quase que despreocupada, vi o carro do Justin parando ao lado do meu. Do carro saiu Fredo e ele, logo todos os fotógrafos saíram de perto do meu carro e foram cerca-los. Essa era minha deixa, coloquei o pé no acelerador e sai cantando pneu.


20 comentários para o próximo? (;

Desenhos + aviso + pedido.

Heey Geliebers *-* 

Eu vim aqui hoje para dar um aviso para vocês e mostrar uns desenhos que a minha amiga fez da Angel e do Justin, e fazer um pedido. Eu sei que muitas nem vão ler, já que não vai ter postagem hoje. Eu só fiz uma folha, gente. E eu costumo fazer 6, 7, 8... teremos que esperar. Só vou dar um spoiler: tá hot, hein. Preparem suas biebergasms aí :9 shausihuasi


Vamos começar pelo aviso: 

Vocês não tem ideia de como vai ser difícil para eu postar aqui todos os dias como eu fazia, ainda mais por eu só ter tempo de sentar na minha cadeira rosa do pc quando é 22hs, por aí.

Olha só o meu dia, só para vocês verem como não é culpa minha.

Passo a manhã na escola, volto meio dia e arrumo a cozinha com o meu little bro depois do almoço e limpo a casa, isso quando eu não vou para a minha avó ver o meu vô doente ou na manicure, que agora é semanal. Toda quarta-feira. E agora eu terei aulas de laboratório durante a tarde, só não sei ainda os dias certinho, mas o de certeza é na quinta-feira. Serão dois dias na semana, que eu acho que é segunda e quinta. Não tenho certeza. E eu tenho aula de inglês particular, que eu nem sei meus horários dele. Tenho que me organizar primeiro. 

E é muita coisa para pensar. 1º ano do ensino médio não é fácil pra ninguém não. Sem falar que os meus professores são muito rígidos, a escola decidiu ser mais rígida esse ano. Estou com dó de mim, sério. :/ 

Não fiquem bravas comigo se, por acaso, eu não conseguir postar essa semana. É muita coisa pra fazer. Espero que me entendam

Eu estava pensando em todas as postadoras terem um dia certinho para postar, o que acham? Mas eu vou esperar a Gi chegar de viagem para estipularmos isso, e eu me organizar também. Como ela só chega dia 6, ainda vai demorar praticamente uma semana pra ver isso. 


 Agora os desenhos! 

Eles foram feitos pela minha amiga otaku, a Heloisa. É foda quando se sabe desenhar, né? Humilha e deixa no chinelo meus desenhos de pessoas de pauzinhos u-u 



kawaii :3

Esses dois são da Angel. Ela não leu a ib toda, só leu o capítulo 43, o que ele a pede em namoro. Até hoje ela me lembra do Justin safado ft. bolado LOL. Eu gostei dos dois, sério. Angel em estilo mangá shauisah


Esse é do Justin. Ela é meio que hater, mas respeita. Hm, para uma hater fazer um desenho do Justin, é muito amor pela amiga belieber, fala sério. u-u 

Gostaram dos desenhos? 

E estou esperando os desenhos das minhas Geliebers, hein! ^^ 

~x~

E para finalizar, o pedido. Hoje faz um ano que meu pai faleceu, e eu queria que vocês orassem por ele. Eu sei que é pedir demais, mas seria uma homenagem para ele, entendem?  Se não fizerem, tudo bem também, não ligo. É só para quem quiser, rs. 

Obrigado mesmo meninas, por tudo <3
Love ya.  

Beijos, da Gih. *-*

28.1.13

#IB - Little Angel: Capítulo 64

aviso no final.

Já estava de noite, deveria ser umas 20hs. Angel foi para o banheiro trocar de roupa enquanto eu falava com Chaz por SMS. Ouvi a porta bater e Rachel surgiu sorrindo. Sorri de volta e ela olhou para os lados, provavelmente procurando Angel e ela saiu do banheiro de coque feito e com um blusão do Jake, de Hora de Aventura.

- Podemos conversar agora?
- Claro mãe, entra ai.

Angel sentou do meu lado e Rachel puxou a cadeira azul de Angel, deixando-a de frente para nós. A mulher se ajeitou e peguei na mão da minha princesa, sentindo a profundidade do assunto só de olhar nos olhos dela.

- Só vou pedir uma coisa, Angel. Quero que seja forte, tudo bem?

A garota olhou para a mãe um pouco apreensiva, porém assentiu e molhou os lábios em seguida.

- Depois de algumas horas que vocês saíram para ir ao baile, a Martha começou a me mandar umas indiretas por telepatia, e decidi ir conversar com ela, para acabarmos com essa história de uma vez por todas e tive uma visão. De vocês dois no campo de futebol, Angel havia desmaiado e encontraram Liam ali. E depois Lilian atacou Justin com a Rajada psiônica e Liam te deu um golpe na cabeça para seqüestrar Angela. Isso aconteceu mesmo? Sejam sinceros.
- Aconteceu. – disse, olhando para ela. – Angel desmaiou e vi Liam ali. Na verdade, esperava encontrar meu amigo, Christian. Ele havia me mandado uma mensagem e que estava precisando de ajuda no campo de futebol e fui acudi-lo. Mas quem estava lá eram Liam e a tia dele. Eu não entendo porque meu amigo fica ajudando o Liam.
- Christian Beadles? – perguntou Rachel.

Assenti e ela fez uma careta.

- Conheço Sandi. Ela é um amor. O menino dela não é de andar em maus caminhos, apesar de ser bem saidinho e sair com muitas meninas. Caitlin também é muito doce. Mas o que ele tem a ver com tudo isso?
- Ele é amigo do Liam, só não sei por que o ajuda tanto o cara.
- Depois descobrimos isso, tudo bem? Temos coisas mais importantes a conversar.

Ambos assentimos e Rachel continuou.

- Filha, você me disse que eles te levaram para a casa do Robert, certo? – Angel assentiu – Tentaram fazer algo com você? Te controlar? Apagar suas memórias?
- Se iriam, eu não deixei. – disse ela, bem humorada. – Ela só me apresentou o Liam, nem chegaram a tentar nada. Ela queria apagar minhas memórias?
- Sim. E te fazer acreditar que o Liam era o seu namorado, e não o Justin. Vocês viveriam juntos até terem um filho, que tinha 90% de chance de nascer sonhador com os poderes dos dois.
- Que plano mais idiota. – disse ela, cruzando os braços e fazendo bico. – Nem pensaram que eu também tenho sentimentos e não sou cruel igual a eles.
- Se que saber, Angel... todo sonhador tem algo de cruel dentro dele. Está no nosso sangue.

Angel franziu a testa, olhando para a mãe, séria.

- Você não é cruel, mãe.
- Mas já fui. E muito. Mas apenas com as pessoas que precisavam sofrer as consequências. Eu sofri muito bullying na faculdade, e aquelas vadias mereciam sofrer por tudo que fizeram comigo.

Rachel respirou fundo, fechando os olhos.

- Desculpem as palavras. Foi algo passageiro, mas eu gostava de humilhá-la, descobrindo todos os segredos obscuros e mais vergonhosos e espalhando para a faculdade toda. E ela nem tinha ideia que era eu.

Ela esboçou um sorriso mau e o desfez em seguida, sacudindo a cabeça e sorrindo sem graça.

- Voltando para o assunto, os sonhadores têm esse ser que se sente prazeroso ao torturar e maltratar as pessoas dentro deles. Você deve saber como é bom torturar alguém que merece umas poucas e boas, não é?

Angel riu e assentiu, sorrindo envergonhada.

- Mas hoje não é tão utilizado como era antigamente. No começo de tudo, a Amy e o Carter usavam a tortura para saquear e roubar, mas mesmo assim era um prazer para eles ver todos morrendo ou sendo torturados. Principalmente quem eles odiavam. Hoje, na nossa modernidade, seria desumano fazer a mesma coisa que eles faziam e as gerações foram deixando esse sentimento escondido, apenas usando quando necessário e olhe lá. Os sonhadores são discretos e sigilosos, são poucos aqueles que os conhecem.  
- Então quer dizer que, se eu quiser ser desumana e não sentir remorso, eu posso matar alguém? – Rachel assentiu – Que horror. Por isso a Sra. Stubin te atacou, atacou o Justin e a mim também tão facilmente. Mas eu não conseguia fazer nada contra ela, mãe. Nada. Eu não consigo entender. Ela sentiu prazer em me ver machucada? Em te acertar na cabeça? Isso é muito sem noção.
- Ela foi tomada pelo poder, filha. A Martha estava disposta a fazer de tudo só para não ver seu clã ameaçado do jeito que estava. E queria ser lembrada pela eternidade por ser “aquela que criou um novo clã com poderes inestimáveis” e blá blá blá.
- Que velha doida. – disse, franzindo o cenho e Angel riu de mim, deitando sua cabeça em meu ombro.
- Doida é pouco, querido. Eu nunca esperei algo assim dela, sempre tive um carinho especial por ser minha quase sogra e por tratar minhas filhas bem. Mas comecei a desconfiar dela quando a Angel começou a ter os desmaios. Ela estava estranha demais.
- Já estava com o plano em mente. – disse Angel, suspirando.
- Exato. Ela queria tanto que o plano desse certo que me sequestrou para não impedi-lo. Mas não sabia que seus últimos poderes iriam aflorar logo no dia de seu plano.
- Verdade. Foi tão legal ver a Lilian se enforcando, mãe. Você não tem ideia. Aquela vadia mereceu.
- Era disso que eu estava falando. Você não se sentiu bem em vê-la sofrer? Em ver o Liam batendo a cara na parede até ficar todo machucado?

Angel gargalhou no meu ouvido e mordeu seus lábios, sorrindo.

- Me senti ótima. Além de bom, foi engraçado. – ela riu outra vez.
- O que fez com ele? – perguntei sem entender.
- Depois da hora que terminamos, voltei pra casa e minha mãe já tinha chegado. Depois o Liam acordou enquanto estávamos conversando e fiz umas coisinhas com ele. Antes de ir à sua casa, dei um soco na cara dele e fiz a mesma coisa que na casa dele, torturei-o com seus piores dias passados e com a carga em dobro e depois o cara apagou. Vê-lo tendo espasmos foi tão... – Angel revirou os olhos e molhou os lábios. – divertido.
- Deu um soco na cara dele?
- Dei. E o olho dele ficou roxo.

Comecei a rir, imaginando a cena. Ele apanha de todo mundo, esse idiota.

- E o que mais fez?
- Hm, deixa eu ver... Eu queria convencê-lo de que não precisava obedecer tudo o que a Lilian mandava, e quando estava falando isso para minha mãe ele acordou. Começamos a discutir e acabei dando um tapa na cara dele de raiva e fiz ele ter mais espasmos por cinco minutos. Depois o fiz bater a cara na parede diversas vezes, e confesso que foi muito engraçado.

Comecei a rir imaginando as cenas e olhei para Angel, que tinha um olhar sem graça e ao mesmo tempo sapeca.

- Enfim... Foi bom. Mas não quero fazer isso outra vez. A menos que eu precise. – ela completou, cruzando os braços.
- Isso mesmo filha. Só use o lado mau do seu ser sonhador quando for extremamente necessário.
- Falando em lado mau, eu me lembro de um dia que passei a noite lendo um blog sobre os sonhadores, antes de comprar o livro, para ver como eram os clãs. A mulher que explicava os poderes e citavam alguns sonhadores famosos, falavam apenas do lado mau da coisa. Era por isso? Nós somos conhecidos apenas pelas coisas ruins que fazemos?
- Praticamente.
- Então eu irei mudar isso. Não quero ser conhecida como a malvada. – a voz dela soou marrenta, porém decidida. – Quero ser conhecida por ser quem eu sou, ajudando as pessoas.

Sorri orgulhoso e a abracei, beijando o topo de sua cabeça.

- Como sempre, um anjo. – disse, fazendo nós três rirmos. 
- Continue assim e muitos sonhadores irão mesmo se espelhar em você, Angel.

Ela assentiu e se aconchegou no meu peito.

- Justin – disse a mulher, me fazendo olhar para ela -, você sabe como foi parar no hospital?
- Não. Não tenho ideia. Só sei que estava na casa daquela velha doida quando apaguei.
- E eu também não sei como acordei em casa, sendo que estava na casa dela.
- Então ela fez mesmo o que o Charlie pediu. – Rachel franziu a testa e Angel a olhou sem entender.
- Como assim “o Charlie pediu”? Vai me falar que ela fala com os mortos também!

Rachel riu, negando com a cabeça.

- Eu fui levada para um sonho dela enquanto estava apagada. E o Charlie disse bastante coisa para ela, meio que brigando, sabe? Falando para ela parar com essa ficção toda pela extinção do clã dela e ele mencionou que alguém iria “tomar o trono” dela se o clã acabasse com sua morte. E eu tenho certeza que é você, Angel.
- Eu? – ela parecia surpresa – Tomar o trono? Como assim?
- Existe uma hierarquia entre os clãs em relação aos poderes. Os Collins sempre disputaram com os Stubin em relação a isso, mas os Stubin sempre foram os “reis”, por serem os primeiros clãs. E com eles extintos, o clã que seria da “realeza” seriamos nós. E o considerado mais poderoso ou poderosa do clã seria o presidente, ou presidenta.  
- Mas eu não sou a mais poderosa.
- Ainda. 

Rachel sorriu e as bochechas de Angel coraram no mesmo instante.

- Era nisso que queria que eu fosse forte?
- Nisso também, mas ainda tem outra coisa.
- E você fica me deixando curiosa ao invés de falar!
- Só respondi sua pergunta, mas agora me deixa terminar.
- Tudo bem.
- Ele pediu para que ela consertasse todos os erros que cometeu, se desculpando com você e comigo, e ter que cuidar de nós por ter nos ferido por toda essa loucura dela. E eu sei que isso vai ser bem impactante para você, e terá que pensar muito no assunto quando ela for te pedir perdão.

Ela assentiu sentida e vi uma lágrima cair de seus olhos. Apertei-a contra meu peito e Angel olhou nos meus olhos, sorrindo sem mostrar os dentes.

- Tudo bem mãe, eu prometo que vou pensar.
- Ótimo. Querem comer alguma coisa?
- No momento não, Rachel. Obrigada. 

Sorri sem graça e Angel negou com a cabeça, negando também.

- Tudo bem. Se precisarem de mim, podem me chamar.

A mulher saiu do quarto e fechou a porta. Angel me olhou e fechou os olhos, se soltando de meu abraço e andando de um lado para o outro.

- O que foi?
- Estou um pouco pasma, só isso. Ainda não consigo entender o que se passa na cabeça dela. Uma hora, ela quase mata todos nós e em outro momento, nos deixa a salvo em casa, e no seu caso no hospital. E minha mãe também fugiu com facilidade da casa dela. Será que ela deixou minha mãe escapar?
- Não sei. Mas acho que é como sua mãe disse, ela só está atendendo ao pedido do marido falecido.

Angel ergueu as sobrancelhas, parando de andar e me olhando um pouco surpresa.

- Antes de ela me chutar na cara e me deixar desmaiada, eu meio que me rendi a ela se ela deixasse vocês dois em segurança. Você e minha mãe. E ela disse que iria cumprir a promessa. Acho que foi por isso que ela te deixou no hospital e deixou minha mãe fugir, mas fazia parte do plano dela eu ir até o hospital e o Liam estar lá. Foi tudo muito bem bolado, apesar de ela ter tido tão pouco tempo para pensar em tudo isso.
- Verdade. Ela sabia que você iria atrás de mim, e fez o Liam aparecer ali. E ela também sabia que eu iria atrás de você e fez isso acontecer exatamente quando peguei vocês dois. Que velha vagabunda. – disse, socando a cama.

Angel riu de mim e sentou ao meu lado, acariciando meu rosto.

- Esse é um dos lados bons de ter Super inteligência.
- Ela tem esse poder?
- Tem esse e mais 3. Oneirocinese, que é o dos sonhos, Telepatia completa e Manipulação de elementos e matéria.
- Que louco. Também quero ser super inteligente, assim passo de ano direto.

Angela riu de mim e deitou-se em meu colo. Afaguei seu cabelo preso e o soltei, fazendo-a me olhar brava e ri dela.

- Não posso mais brincar com seu cabelo?
- Não!
- Por quê?
- Por que sim, poxa. Ele tá feio.
- Por favor. Seu cabelo é tão macio.

Fiz bico e ela sorriu sem graça, me deitando na cama e ficando sobre mim.

- Se eu falar que não você vai fazer cócegas em mim?
- Então você gosta de quando eu faço cócegas em você?
- Eu perguntei primeiro.
- Não sei. – disse, sorrindo e envolvendo a cintura dela. – Agora responde você.
- Não gosto muito de cócegas. Perguntei para me prevenir.
- Por que não gosta? É tão bom.
- Bom? Ficar sem ar de tanto rir é bom? Você é doente.
- Doente de amores por você, meu anjo.

Ela me olhou sem graça e selou nossos lábios, deitando sobre meu peitoral em seguida. Comecei a brincar com seus cabelos e Angel enlaçou nossas pernas, roçando sua coxa em meu amigo. Cara, que tortura. Ela fez de propósito. Mordi meus lábios e ela pousou uma de suas mãos sobre meu abdômen, desenhando nele com os dedos. Sentia minha pele arrepiar e fechei os olhos, gemendo baixo.

Angela me olhou sem entender e sorriu, rindo em seguida.

- Vai me falar que isso está te deixando excitado? Você é muito sensível, nossa.
- É um dos meus pontos fracos, você quer o que?

Minha princesa riu e mordeu os lábios, apenas deixando sua mão ali.

- Ei, pode continuar. Eu não disse que não estava gostando – disse, fazendo-a me olhar de soslaio e rir.
- Você é muito safado, sem mais.
- Sou mesmo. Ainda mais perto de você, mas eu me controlo.
- Você não disse isso, Justin. – ela começou a rir e cobriu seu rosto com suas mãos.
- Como se você não soubesse disso, não é?
- Verdade, mas... não sabia que era a todo instante.
- E pior que é.

Ela me olhou com a testa franzida e colocou seu indicador no fim do meu tórax e o desceu lentamente, arranhando meu peitoral de leve e parando no elástico da minha cueca à mostra.

- Você não fez isso. – disse, sentindo meus pelos ouriçarem.
- Fiz e posso fazer mais.

Que voz rouca foi aquela? Nossa. Eu já estava morrendo, agora estava dentro da minha cova.

- Não provoca. – sussurrei, vendo-a tamborilar seus dedos em meu abdômen.
- E se eu não te obedecer?
- Terei que tomar providências.
- Que tipo de providências? – agora a voz dela soou inocente, daquela Angel de sempre.
- Essa aqui.

Puxei-a pela cintura e tomei seus lábios vorazmente. Estava com sede do seu gosto, do seu toque. Aquela mão boba dela ficou ali no meu precioso, mas conseguiu piorar a minha situação, levantando a blusa e colocando sua mão dentro dela, fazendo desenhos nele. Que delícia. Gemi em meio ao beijo e ela sorriu maliciosa, mordendo meu lábio inferior e o puxando, sem tirar seus olhos dos meus. Ela pode até ser um anjo de pessoa, mas é muito safada quando quer. E sabe me provocar direitinho.    

***
Hey Geliebers! 

Meninas, tenho um aviso para dar a vocês. Minhas aulas, infelizmente, vão começar amanhã, e não sei se vou conseguir postar todo dia, até encontrar um horário cabível para postar a vocês. Espero que me entendam. :/


Acho que a safadeza do Justin passou para a Angel, haha! Vamos ver no que isso vai dar. Será que a Sra. Stubin vai mesmo pedir desculpas a eles? E o Liam sumido? No próximo capítulo ;* 

Só continuo com mais de 40 comentários *-* 


Indicações:
http://imaginebelieber-wish.blogspot.com.br/
http://imaginebelieber-ld.blogspot.com.br/
http://got-the-bieber-fever.blogspot.com.br/

Respostas para os comentários:

McDlove: 

Awn, um fã clube pra mim? To morrendo aqui *o* 

Bia, minha Angel:

Cara, você é safada assim sempre ou o que? kkkk Lembrei de quando você leu aquela parte safadeenha do Justin, que ele foi fazer coisas no banheiro e você ficou muito safada. LOLOL 

Paula/Pauchis: 

Meu twitter é @umapurpleninja >< É claro que podemos conversar. 

Larissa: 

Não sei love, vou pensar nisso. (: 

@anaclara_pn: 

Enviou a fanfic? Mas eu não recebi nada ): mandou no meu e-mail? é giovanna__amorim@hotmail.com (dois undelines) *-* Pode mandar sim, to esperando (:

Gostaram? Comentem! 

Para um fim de post, uma frase para vocês. 

"Quando você diz “Eu te amo”, você está fazendo uma promessa com o coração de alguém. Tente honrá-lo."
 Clarice Lispector.  

Amo vocês meninas! 
Beijos, da Gih.