27.2.13

Avisos importantes.

Oi gente, aqui é a Lari. Como vocês estão?
Bom, é o seguinte, só vim aqui pra dar dois avisos pra vocês.

1° aviso: A Gih, que escreve a IB "Little Angel" está sem internet e não vai poder postar até a internet dela voltar, ela pediu desculpas pra vocês e disse que logo logo volta, então não se desesperem kkkkkk.
Alright.
2° aviso: Eu já terminei de escrever todos os últimos capítulos de The Vampire Diaries, mas não sei ao certo quantos são por quê tenho que dividir bem, porque um deles tem 2 partes.
E além disso, andei conversando com a Gih Amorim, sobre qual a próxima IB que deveria postar pq to com duas.
Com a ajuda dela já decidi qual vai ser, e ai o nome dela falo pra vocês no próximo capítulo (:
Bom, é só isso.

Kisses, and see ya!
-Lari!

20.2.13

#IB - Little Angel: Capítulo 68

Capítulo dedicado a Lari e a Mari Tavares que fazem aniversário no mesmo dia (mera coincidência do destino .-.), nessa sexta-feira, dia 22. Feliz aniversário adiantado meninas! ^^ 
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~  
Aviso importante no final + selinhos.

Terminei de fazer o doce e levei lá para cima, primeiro dando um pouco para as crianças. Jason adorou, disse que nunca comeu algo igual. Carly já tinha comido e ficou muito feliz em comer novamente. A minha amiga fez lá em casa para nós e a Carly teve que roubar uma colher. Como sempre, gulosa.


Depois de eles pegarem as suas porções, levei para o quarto do Justin. Chaz e Chris jogavam no Xbox, Ryan estava com seu celular nas mãos, provavelmente jogando Temple Run pelos movimentos de seus dedos e Justin tocando violão, apenas dedilhando os dedos nas cordas, tocando notas aleatórias. Bati na porta para chamar a atenção deles e os quatro me olharam no mesmo instante.

- Poxa Angel, tava sentindo o cheiro lá de baixo e você demora todo esse tempo! – disse Chaz, pausando o jogo e levantando do pufe.

Dei uma risadinha e sentei na cama, colocando a panela no colo e colocando um pouco em cada colher.

- O que é isso? – perguntou Justin, pegando uma colher cheia e a olhando.
- Provem que eu digo.
- Não pode dizer agora? – Chaz fez bico e ri dele, negando.
- Come logo, menino!

Os quatro colocaram as colheres na boca e molhei os lábios, esperando a resposta deles. Chaz estava com os olhos brilhando e ajoelhou na minha frente, de boca aberta.

- Isso é divino! – disse ele, lambendo a colher outra vez – Nunca tinha comido isso na vida!
- Acho que nem eu, Angel. – disse Ryan, ainda com a colher na boca, fazendo sua voz soar estranha. 
- Eu também não conhecia, se querem saber. – disse, pegando com a minha colher e a levando a boca, pegando um pouco e o deixando dissolver. – Hm, minha amiga que me ensinou a fazer isso.
- E como se chama? – perguntou Justin, pegando mais.
- É! Para de suspense! – disse Chris, me fazendo rir.
- É um doce brasileiro, chamado brigadeiro. – disse, pegando mais e os meninos fizeram o mesmo. – A minha amiga, Bianca, estava fazendo intercâmbio aqui em Atlanta e fizemos uma noite do pijama. Ela disse que sempre fazia isso com as amigas dela lá no Brasil.
- Porra, eu preciso conhecer essa menina – disse Chaz, enchendo sua colher pela terceira vez. Ou era quarta? -, sério.
- Ela já voltou para o Brasil, Chaz. Se tivesse dito isso antes, quem sabe...
- Você é muito má Angel – ele fez careta e ri dele.
- Eu nem te conhecia, seu bobo. Mas se conhecesse, é claro que teria apresentado. Ela é muito bonita.
- Claro que deveria ser bonita. É brasileira!

Sorri e levantei, levando a panela junto comigo.

- Ei! – disseram os quatro.
- Vou levar para a sua mãe, Justin. Ela disse que queria provar.
- Por que não levou antes? – ele fez bico e ri da carinha dele.
- Vão ter que esperar, é rapidinho!
- E se ela roubar toda essa preciosidade? O que será de mim? – disse Chaz, choramingando.
- Sua colher ainda tá cheia e você reclamando? – revirei os olhos e os meninos riram.

Deixei o quarto e andei até o de Pattie, batendo na porta e logo em seguida ela abriu, revelando o Jeremy ali também, apenas de toalha e desviei o olhar do dele, sem graça.

- É... você disse que queria provar... – disse, quase sem voz.

Como ele podia ser tão lindo? Como a Carol diria, “ele é um pai super pegável”. Mas é claro que não faria isso. Porém, o Jeremy não deixa de ser lindo. E que me deixa sem ar. Principalmente agora. 

- Ah, é claro! – ela pegou a colher que estava na minha mão e pegou um pouco. – Nossa, que gostoso! Como é nome mesmo?
- Brigadeiro. – disse, sorrindo.

Ela fez uma careta e riu em seguida.

- Nome estranho. Brigadeiro... – ela repetiu e riu depois. – Não consigo dizer isso.
- Eu também demorei a aprender.
- O que é isso? – disse Jeremy, se aproximando de nós.

Pelo menos ele já estava vestido, porém com o tronco nu. Tentei permanecer normal e molhei os lábios, sorrindo para ele.

- É um doce brasileiro que eu fiz para os meninos pararem de encher a Pattie. Quer provar?
- Claro! Vamos ver os dotes culinários da Angel.

Sorri sem graça e Pattie me entregou a colher, peguei um pouco e ele provou, me olhando com aprovação.

- Uma delícia, realmente. Mulher, pode pegar a receita com ela, viu?

Ri baixinho e ele me entregou a colher sorrindo.

- Obrigada querida, agora leve logo para os meninos. Eles devem estar eufóricos por mais.

Assenti rindo e deixei o quarto.

- Já pode casar com o Justin! – disse Jeremy, me fazendo olhar para trás e rir dele.

Voltei para o quarto dos meninos rindo e fui atacada por eles. Sei lá o que fizeram, mas foi muito rápido, e já estava no chão, rindo igual uma louca e roubaram a panela de minhas mãos. Justin fazia cócegas em mim enquanto os três comiam e comemoravam que a panela estava com eles.

- Se-seus loucos! – disse entre as gargalhadas. – N-não respi-piro!

Justin me olhou preocupado e parou, apenas sentando em cima de mim. Respirei fundo três vezes e olhei maquiavélica para ele.

- Como você pôde? – disse, erguendo uma de minhas sobrancelhas.
- Era o único jeito de ter o brigadeiro só para nós!
- Sabia que, por você estar aqui comigo, eles não vão deixar nada pra você?

Justin olhou para trás, vendo os meninos comendo e riram da cara que ele fez ao perceber o plano deles.

- Seus desgraçados de merda! – disse ele, levantando de cima de mim e tomando a panela deles. – Minha vez de comer e ninguém discute.
- Maldito. – ouvi Chaz sussurrar e ele cruzou os braços. – A Amber vai ser devorada por um maníaco! – disse ele, sentando na cama emburrado.

Todos nós rimos dele. Rimos não, gargalhamos! Amber? Agora é esse o nome do brigadeiro? Chaz sempre criativo com nomes. Sentei no chão e cruzei minhas pernas, assistindo a aquela cena épica. Três meninos emburrados e um sorrindo vitorioso para os demais por causa de uma panela de doce. Vai entender.

- Sabe, eu deveria merecer um pouco também – disse, coçando minha bochecha -, não acha? Eu quem fiz!
- Desculpa Angel, esqueci de você. Vem cá!

Ele deu tapinhas em suas pernas, indicando onde deveria sentar e ri dele, sentando e apanhando uma colher que estava dentro da panela e pegando um pouco.

- É injusto isso, Justin! – disse Ryan – Ela pode e nós não?
- Claro que sim. Ela não é louca e desesperada igual vocês, sabe saborear o doce. E ela merece. Se não fosse pela Angel, não teríamos descoberto essa maravilha brasileira! 

Eles assentiram compreendendo as palavras do amigo e dei de ombros.

- Vocês quatro são uns maníacos por doces.
- Ah, me conte uma novidade. – disse Chaz, revirando os olhos e ri dele. – E ai? Não vou poder comer mais? – ele fez bicoJustin ergueu suas sobrancelhas.
- Preciso responder?
- Vocês estão atacando a Amber, ok? Eu preciso salvá-la.

Justin sorriu maldoso e encheu a colher de brigadeiro, levando-a a boca e fazendo uma cara de satisfeito tão proposital e sexy ao mesmo tempo e abaixei o olhar. Droga. Ando muito pervertida nesses últimos dias.

- Seu maníaco. – sussurrou Chaz, fechando os punhos e os meninos gargalharam.
- Eu não terminei. – retrucou Justin, pegando mais com sua colher e me entregando. – Aproveita meu anjo. – sussurrou ele, ao pé de meu ouvido.

Senti meu corpo estremecer e meus pelos eriçarem quando ele disse aquilo. Que voz foi aquela? Molhei meus lábios inocente e a peguei, olhando para Chaz e para Justin.

- Eu não posso fazer isso com a Amber, seria lesbianismo na certa. E eu não sou lésbica.

Os quatro gargalharam alto. Ryan rolava no chão e Chris na cama. Chaz estava praticamente sem ar e Justin até levantou do pufe para rir. Poxa, não seria algo... estranho eu fazer esse tipo de coisa com a Amber?

- Não sabia que teria tanta repercussão. – disse, mas acho que eles não me ouviram pela altura das gargalhadas.

Dei de ombros e aproveitei para que eles não estivessem prestando atenção para pegar um pouco e sem pensar nessas coisas... hm, de lésbicas. Nada contra lésbicas, não tenho preconceito nenhum. Mas o que eu imaginei não foi algo legal de se considerar... decente.

Argh.

Maldita malícia.

Tudo culpa do Justin.

- Ei! – chamei a atenção deles enquanto estava com a colher na boca – Se controlem, moças! Querem que a Pattie venha aqui e dê sermão em vocês todos? 

Eles me ignoraram e cruzei os braços, ficando emburrada. Levantei do pufe e saí do quarto, sentando no meio da escada. Talvez assim eles desconfiem.

“Preciso conversar com você.”

Tomei um baita susto ao ouvir a voz dela. Molhei meus lábios e respirei fundo, colocando minhas mãos em meu rosto.

“Vai me dizer que quer se desculpar, é?”

“Não é só isso... bem... você sabe o que precisamos fazer.”

Não a respondi, com uma raiva imensa dela e ao mesmo tempo com dor no coração de não fazer uma vontade do meu pai.

“Que horas podemos nos ver?”

“Depois que sair da casa do Justin.”

Nem acredito que disse isso a ela, mas tudo bem. Respirei fundo outra vez e molhei os lábios. Não estava me sentindo bem.

“Tudo bem. Estarei te esperando.”

- Angel?

Gritei de susto e virei para trás, vendo os meninos ali. Dei um tapa em minha testa e eles me olharam preocupados.

- Você parece mal. – disse Chaz, franzindo a testa.
- Não é nada.

Justin me olhou e desviei o olhar do dele. Não tinha contado a ele e não consigo ao menos admitir que vou pedir desculpas a ela. É quase que uma humilhação. Mas farei isso pelo meu pai, nem que seja um falso pedido.

- Conseguiram engolir minha frase? – perguntei esboçando um sorriso e tentando afastar esses malditos pensamentos.
- Você, com certeza, é mais hilária que o Chaz. – disse Chris, sorrindo.
- Perdi meu posto – disse Chaz, dando de ombros -, mas você merece.

Levantei do degrau e neguei, molhando os lábios.

- Na verdade, eu nem pensei que vocês iriam rir. Não era para ser engraçado... Mas se foi, não posso fazer nada. – deixei meus ombros caírem e olhei para Justin outra vez, que tornava a me olhar com um ar de preocupação. – Hm, que tal uma partida de Guitar Hero? Ninguém é melhor que eu nesse jogo – disse, desafiando os meninos.
- Só acredito vendo! – disse Ryan, me fazendo sorrir vitoriosa.
- Nunca duvide de mim, Ry.
- Então eu serei seu primeiro adversário. – disse ele, em um tom autoritário e ri dele.
- Tudo bem.

Fomos subindo as escadas e os rapazes foram na frente para colocar o jogo. Justin fez o favor – que eu particularmente não queria que fizesse, mas ele não deixaria de fazer – de ficar no mesmo ritmo que eu e praticamente me obrigar com o olhar a contar o que estava acontecendo.

- Eu disse que iria te contar depois. – disse, não conseguindo olhar nos olhos dele.
- Não pode antecipar nada pra mim?

Neguei e ele segurou em meu queixo, encontrando nossos olhares e fechei os olhos, sentindo meus lábios tremerem.

- Por favor, Angel, você sabe que não quero que se sinta mal.
- Não quero falar agora. – retruquei, ouvindo os meninos me chamando. – Conversamos depois, eu prometo.

Justin revirou os olhos e assentiu, dando um beijo em minha testa. Seguimos até o quarto e os meninos esperavam eufóricos. Sorri sem graça e peguei um dos controles, sentando no pufe roxo e escolhendo minha guitarrista, a que eu sempre escolho, Judy Nails, com sua Gibson Fly vermelha. Deixei Ryan escolher a música e começamos nossa “batalha”.

[...] 


- Agora não tem como fugir, Angel.
- Odeio quando faz isso. – disse, sorrindo sem graça e olhando naqueles olhos cor de mel maravilhosos.

Ele estava sobre mim e segurava meus pulsos, aproximando nossos rostos. Os rapazes já tinha ido embora e tínhamos acabado de ver um filme – apesar de já tê-lo assistido inúmeras vezes –, Lembranças. É perfeito, sem mais. Estávamos conversando e ele ficou de quatro sobre mim e fazendo cócegas, até segurar meus pulsos e me deixar respirar.

- Vai falar que não ama quando ficamos assim, juntinhos. – a voz dele foi ficando mais suave e ele roçou nossos lábios, mordiscando o lóbulo da minha orelha.
- Só sei que isso é uma puta maldade. – sussurrei e ele riu pelo nariz.
- Adoro ser malvado com você, meu anjo.

Ergui uma de minhas sobrancelhas a ele e Justin sorriu sem mostrar os dentes, mas a malícia era bem explícita em seus olhos. Aquele olhar que me deixava sem ar e sem palavras. Mordi meus lábios e o olhei inocente, mexendo meus pulsos e ele riu, me libertando. Pousei minhas mãos no pescoço dele e deslizava a ponta de meus dedos em sua nuca e afagava seus cabelos.

Justin deixou cair sobre mim, não colocando todo seu peso e enroscou nossas pernas, deslizando sua mão em minha coxa, me deixando arrepiada. Esses toques surpresa dele andam aparecendo com mais frequência. Nossos olhares se encontraram e uma das mãos dele foi parar em meu rosto, tirando uma mecha que o cobria e o acariciando gentilmente até aproximar nossas bocas novamente. Sentia seu hálito quente em minha face gelada, fazendo-me estremecer e molhei meus lábios, os mordendo em seguida. Ele os roçou outra vez após depositar um beijo em minha testa, pousando suas mãos em minha cintura e selar nossos lábios levemente.  

- Malvado em que sentido? – perguntei, me confundindo em pensamentos e acabando por interromper nosso beijo.

Ele franziu o cenho e sorriu ao entender do que eu falava. E depois riu baixo, deslizando seu polegar em meu maxilar.

- Você sabe muito bem o sentido que quis dizer. – Justin ergueu uma sobrancelha e sorriu atrevido.
- Isso me soou equívoco, poxa. Não faria mal em perguntar.

Fiz bico e ele sorriu sereno, beijando minha testa e olhei em seus olhos. De repente, me deu uma vontade de chorar. Chorar e não precisar se explicar. Queria entender essas minhas crises de humor, mas principalmente o que está passando dentro de mim no momento. Não posso ficar escondendo isso dele.

- O que foi Angel? – ele percebeu minha mágoa, como temia.
- Prometi te contar, não prometi?

Ele ficou em silêncio, respirou fundo e assentiu. Empurrei-o para sair de cima de mim e rimos, sentando na cama e ele também. Abracei os joelhos e molhei meus lábios, respirando fundo. Organizando as ideias para dizer tudo a ele.

- Comece quando quiser.

A voz dele soou acolhedora e despreocupada. Sorri um pouco mais animada e ele fez o mesmo, me chamando com os dedos. Engatinhei e deitei minha cabeça em seu colo e Justin afagava meus cabelos, me acalmando de uma forma inexplicável.

- Vamos dizer que não foi quem eu esperava. – disse, finalmente. – Achei que seria a Martha, porém não era. E nem o Liam ou a Lilian. Era alguém que eu nunca iria imaginar, Justin.

Sentia meus olhos marejarem e ele percebeu, me puxando para perto de seu corpo e me abraçou forte. Não pude deixar de derramar algumas lágrimas, foi muito chocante e inesperado.

- Foi seu pai? – sussurrou ele, me deixando escapar um suspiro.
- Exatamente. – funguei e me libertei de seu abraço, ficando sentada em sua frente. – Eu realmente não esperava vê-lo ali. Nem sabia que ele podia fazer isso.

Justin assentiu e secou meu rosto com um sorriso triste.

- E o que ele te disse? Você ficou desacordada por bastante tempo.
- Primeiro nós matamos as saudades, falemos assim. – não deixei de sorrir ao dizer isso e uma lágrima teimosa escapou e a sequei de imediato. – Você não sabe o quanto foi bom abraçá-lo outra vez depois de dois anos pensando que nunca mais teria isso.
- Posso imaginar. Foi quase quando te perdi aquele dia da sua transformação. Juro que achei que iria morrer e nunca mais poder te abraçar e te beijar foi a primeira coisa que me veio na mente. E depois ele me disse outras coisas e que eu não o deixei terminar de falar... – ele sorriu com a testa franzida e revirou os olhos – Enfim, foi praticamente o mesmo sentimento.

Ri dele e uni nossas mãos, enlaçando nossos dedos. Ele acariciou minha mão com seu polegar e sorri mordendo os lábios.

- E depois ele falou que eu precisava me desculpar com a Martha. Doeu ouvir isso do meu pai. Eu sei que a errada da história foi ela e ele também tem consciência disso, mas me pareceu que a errada era eu. E eu fiquei... um pouco magoada com isso.
- Mas ele disse que você era a errada? 
- Não, claro que não. Ele sabe das coisas que ela fez conosco e com a mamãe, mas se eu não me desculpar, vamos ficar nessa guerra pra sempre. Na escada, ela falou comigo. Disse que tínhamos que conversar. Eu disse a ela que depois que saísse daqui iria falar com ela e acabei me sentindo mal por eu ter que tomar a iniciativa. Eu não quero que ela me golpeie pelas costas, Justin. Não quero sofrer outra vez por causa desses poderes idiotas.

Eu já estava chorando outra vez e me sentia horrível. Não deveria me sentir assim, mas não posso evitar. É uma responsabilidade enorme em cima de mim e não sei se vou conseguir cumprir o que prometi a ele. E não quero magoá-lo de forma alguma. 

Justin me colocou entre suas pernas e me abraçou, beijando o topo de minha cabeça enquanto desabava em lágrimas doloridas.

- Eu não quero desapontá-lo, sabe? – disse com dificuldade, praticamente como um sussurro. Minha garganta doía muito devido ao choro – Eu prometi que tomaria conta disso e tenho medo de não conseguir, ou de algo dar errado se não tomar posse disso antes que ela me apunhale por trás.
- Você tem que confiar em si mesma, Angel. Se não confiar, a insegurança vai te engolir e não vai tomar controle da situação. Confiança nesse caso, é essencial. Vai demonstrar a ela que você não tem medo dos golpes desnecessários dela e que quer mesmo por um basta nisso, não acha?
- Meu pai me disse isso. – disse, depois de um tempo. – Que se pelo menos demonstrasse a boa vontade de querer me desculpar, ou seja, exalar confiança, ela com certeza vai ceder. 
- Viu? É o que te que fazer. Mas se ficar pensando no pior, não vai se concentrar no objetivo e acabar fazendo tudo dar errado. Apenas se sinta confortável o suficiente para falar o que precisa, sem enrolar. Fale e pronto. Se ela não se desculpar, o problema é dela. Você terá feito sua parte, não é?

Assenti e me aconcheguei em seu peito, sentindo seu calor e sentindo minha pele arrepiar. Estremeci de repente e fechei os olhos.

“O Justin está certo, minha anjinha. Confiança é o ponto chave.”

- Ai. Nossa. – sussurrei e ele me olhou confuso.
- O que foi?
- Ele... – mordi os lábios e uma lágrima caiu – falou comigo. Meu pai.

Minha voz quase não saiu. Respirei fundo e abracei os joelhos, desabando ali mesmo.

“Não chore filha. Você sabe que prefiro ver você sorrindo, não sabe?”

Chorei mais ainda ao ouvir aquelas palavras. Droga. Odeio ser sensível.

“Desculpe, não consigo evitar.”

- O que ele disse?

“Eu sei que você vai conseguir. Eu acredito em você.”

Solucei e molhei meus lábios secos. Chorava igual a um bebê. Justin me aninhou em seus braços e deitou minha cabeça em seu ombro. Agarrei sua camiseta e enterrei meu rosto ali, morrendo de tanto chorar.

A emoção literalmente tomou conta de mim.

Ele afagava meus cabelos na tentativa de me acalmar e me apertava contra seu corpo. Seu rosto estava enterrado em meus cabelos e conseguia sentir a angústia dele em me ver daquela forma. Mas eu não conseguia evitar chorar. Não conseguia parar.

- Desculpe – sussurrei, soltando sua blusa e me encolhendo em seu abraço. –, não queria te deixar mal.  
- Muito pelo contrário. – rebateu ele – É melhor expressar seus sentimentos do que guardá-los. O meu problema é que te ver chorando me deixa... agoniado. E não posso fazer nada.
- Se não fosse tão emotiva não estaria se sentindo assim...
- Ei, pode parar. – ele ergueu meu queixo e encontrou nossos olhares. Ele chorava também e meu coração doeu em vê-lo assim. Por minha causa. – Você está se abrindo e é completamente normal eu me emocionar também. Pode ir se acostumando. Mas não quero que se culpe por isso.

Justin deslizou suas mãos em meu rosto, secando minhas lágrimas e esboçando um sorriso.

- Você sorri, eu sorrio. Você chora, eu choro. Você fiz feliz, eu fico também. Você fica mal, é claro que vou ficar também. Não adianta discutir.

Sorri sem graça e ele sorriu de volta.

- Você é muito bobo.
- Eu faço isso porque sei que faria o mesmo por mim, anjo. Me preocupo porque você é minha vida agora, e preciso fazer de tudo para ver a minha vida bem. É claro que vão ter momentos como esse, mas serão passageiros. Eu prometo.

Ele beijou minha testa com ternura e fechei os olhos sorrindo. Não tem como não se apaixonar por ele. 
***
Hey Geliebers *-* 

Vou começar pelo aviso, antes de me empolgar escrevendo sobre o capítulo. Eu posso não parecer, sei esconder demais meus sentimentos, mas eu estou muito mal. São coisas pessoais, da minha família, e estão me afetando demais. Se eu me ausentar, além dos meus compromissos escolares, já estão avisadas. Não fiquem bravas comigo ou magoadas, infelizmente eu tenho uma vida fora do blog – mesmo preferindo essa aqui, onde reina a felicidade, é claro –, e tenho que organizar meus pensamentos e sentimentos. 

Antes de se perguntarem o que tá me deixando assim, é pela questão de perda familiar. Vocês sabem que não tenho mais meu pai e nem meu avô materno, que morreram a um ano atrás, no mesmo mês. Triste realidade. E hoje, não faz nem um mês que descobrimos que meu avô paterno está com dois tumores no cérebro, e ele fez uma radiocirurgia há umas semanas, e ele piorou muito. Ele foi para Curitiba outra vez fazer agora a cirurgia de remoção, e ele corre risco de morte. Vocês sabem... não é nem um pouco legal perder um parente, mas ter chances de perder três em praticamente um ano é completamente... radical. Não quero perder meu avô, e eu preciso pelo menos dar assistência aos meus tios e aos meus avôs que estão lá, não acham? É o mínimo de que poderia fazer. Mas eu também queria que vocês entendessem o meu lado. 

Se puderem, é claro, rezem por ele. Eu nem sei o que vai ser de mim se o pior acontecer. Estou escrevendo isso chorando igual uma idiota e tremendo. Sou fraca em relação a isso. Queria que me entendessem e me desses um força, algo para me sustentar. Só não fiquem bravas comigo, ok? Pelo menos isso vai me confortar o suficiente. 

xxxxxxx

Voltando para a história, já que me dispersei aos montes, esse capítulo foi um misto de risos, de incerteza e de muito amor. Quem não riu dos meninos, principalmente do Chaz e das suas palhaçadas por causa da "Amber"? E ficou repetindo "Angel safadinha, tá ficando igual o Justin" quando ela viu o Jeremy sem camisa? Mas vamos falar a verdade, o Jeremy é sim um pai super pegável, rs. Ignorem minhas safadezas incomuns u-u Eu chorei escrevendo a parte da Angel toda emocionada, me senti no direito de entrar no personagem. Sempre fico tocada com essas coisas paternais, vocês sabem porque.  

Será que ela vai deixar a insegurança de lado e conseguir fazer a Martha ceder e fazer a paz reinar? E o Liam, gente? Sumiu u-u. Talvez iremos encontrá-lo no próximo, ou não. Vamos esperar para ver. (: 


Só continuo com mais de 40 comentários *-*

Indicações: 
http://sweet-storiesib.blogspot.com.br/ < lay perfeito u-u 

Respostas aos comentários: 


Imagine Belieber: 


Vou te colocar nas minhas parcerias assim que postar. *-* 


@anaclara_pn: 


Não tem problema Ana, eu só estou ansiosa kkk. Pode ficar tranquila, eu espero quanto tempo for preciso (: 


Dianna Bieber: 


Mesnina, vou pensar no seu caso, ok? E também tenho que conversar com as outras meninas, apesar de eu ser a dona. Vou dar uma olhada no seu blog e te digo depois. *-* 


iBiebs mistletoe:


Vou te colocar quando postar, girl. ^^ 


Rocker Princess: 


https://www.facebook.com/giovanna.amorim.33671 < é esse aqui ^^ 



xxxxxxx

Selinhos!

Meninas, desculpem por eu não responder aos outros selinhos, mas eu coloquei todos eles na página de selinhos, viu? A partir de agora vou tentar responder a todos, mas não vou indicar nenhum blog, vou ser uma quebradora de regras, sahsuish.


Blog que me deu o selo: http://love-kidrauhl.blogspot.com.br/

Perguntinhas: 

1- Já foi em algum show do Justin?
Não :c Mas vou na BT *-*

2- Você Belieber desde quando? E porque virou?
Desde 2010. Porque fiquei encantada com o Biebs pela primeira vez que o vi, no clipe Baby. 

3 - Você conhecem algum Boylieber pessoalmente?
Não, mas queria :c Só conheço um, o Fê, mais conhecido como @drewhelp, que é meu marido lindo, rs <3

4 - Defina Bieber Fever.
Doença incurável, nem mesmo pelo próprio "transmissor" dela, que faz as pessoas ficarem completamente loucas pelo astro mais swaggueiro do mundo, depois de Michael Jackson e dos Beatles, Justin Bieber!. ~le eu dando uma de especialista~

5 - Pra você o Justin é....

Uma inspiração, não só para mim, mas para milhões de fãs dele no mundo todo. É alguém adoravelmente humilde, sexy e completamente retardado que tem muuito swag! Não é apenas um cantor adolescente qualquer, é o meu Kidrauhl. ♥ 

Obrigada pelo selinho, anjo! >.<


Blog que me deu o selinho: http://sweet-storiesib.blogspot.com.br/

Perguntinhas:

1. Qual foi seu primeiro pensamento/reação quando viu o Justin pela primeiríssima vez?

Que menino fofo! Vídeo maneiro, vou ver de novo *play* Awn, ele é muito meigo e lindo! 
kkkkkk, minhas leseiras atacando.

2. Qual dueto que você mais deseja que aconteça com o Justin?

Justin e Demi, ou Justin e Riri :3 

3. Cite 3 coisas que mais te admira no Justin.

Ele ser pé no chão, admitir os erros e amar os haters. ahsihsaiu
Mentira, o último é ele ter um amor incondicional por todas nós, sem exceção. ♥ 

4. O aniversário do Justin está chegando, o que está sentindo em relação a isso?

Não estou preparada psicologicamente para isso, sério. Três anos com ele, vendo-o crescer, e notar que ele já é um homem, me é um motivo de orgulho! Mas sinto saudades do menino de Baby e, com certeza, daqui um tempo, vou sentir do rapaz de Boyfriend. Quem não vai sentir? :c

5. Três fotos que você mais ama do Justin.

Só três? kkkk impossível, girl. São muitas! Mas no momento estou apaixonada nas fotos dele com a Jazzy e o Jaxon, awn. :3 

E também nas dele sem camisa. É de derreter! k 

Obrigada pelo selinho amor! <3 

xxxxxxx

Acho que é só, rs. Bem, para um fim de post, uma frase para vocês. Fazia tempo que não colocava uma frase ._. 

"Sabe, uma coisa mínima pode mudar sua vida. Num piscar de olhos, alguma coisa acontece do nada, quando você menos espera, e te coloca em um caminho que você nunca planejou, e um futuro que você nunca imaginou." 
 Um Homem de Sorte.  

Essa frase resumiu o que eu ando pensando esses dias, omg. Nicholas, como sempre, divando u-u.

Amo vocês meninas! Demais! <3  
Beijinhos, da Gih. ;3

15.2.13

#IB - Little Angel: Capítulo 67

Capítulo dedicado a Brenda Araújo que fez aniversário dia 13, desculpa por não fazer na data, mas está ai seu presente vindo de mim *-* Feliz aniversário atrasado (: 
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Desenhos, avisos e Angel no final *-*

Mode Justin on*

Depois de ela ter desmaiado, fiquei tentando explicar ao treinador sobre esses desmaios dela. E, sinceramente, nem eu sabia o motivo. Só sabia que tinha alguma coisa a ver com aquela velha rancorosa.

- É muito complicado, treinador...
- Ela me disse que seriam mais algumas vezes – ele me interrompeu –, no máximo duas! Imagine ela desmaiando no meio do jogo contra os Mooses? Perdemos o elemento surpresa, Bieber!
- Entendo sua preocupação treinador. Seria desastroso, mas...
- Se perdemos ela – ele me cortou outra vez –, apesar de já termos grande vantagem sobre eles, não teremos mais o elemento surpresa para rebater contra o deles.
- Essa é a segunda vez que ela desmaia depois que te disse, treinador. A primeira foi no baile, já no final da festa. Tive que levar ela embora para casa. E essa é a última, te garanto.
- Espero que seja. Ela estava jogando tão bem, já fazendo uma cesta de três no início de sua entrada.
- Estava sim.

Suspirei, tentando acreditar nas minhas palavras. Se for mesmo a Martha, a Angel vai ter que tomar providências, porém drásticas dessa vez. Não quero mais vê-la assim, desmaiando, porque alguém a faz ter enxaquecas fortes ao ponto disso ocorrer.

Angel se encontrava na enfermaria agora. Os caras continuaram o jogo sem ela a pedido do treinador, já que não vão parar de treinar por isso. Avisei Rachel do desmaio e ela disse que iria deixar as crianças com minha mãe e viria para cá. Depois de um tempo, entediado, vendo-os jogarem, pedi para George me liberar para vê-la e ele deixou.

Andei até a enfermaria com a perna manca e sentei na poltrona de couro de lá. Fitava Hannah medir a pressão dela e coisas do tipo. Disse à mulher que era uma coisa de família, já que a Angel sempre é “socorrida” pela Hannah quando desmaiava. Não demorou muito até Rachel chegar junto da diretora Jamie. E ambas estavam preocupadas. Imagino que Rachel não esperava que a filha fosse desmaiar mais vezes.

- Ela te disse algo antes de apagar? – perguntou ela, se aproximando.

Assenti e olhei discretamente para Jamie, que conversava com Hannah. A mulher assentiu e pegou em minhas mãos, respirando fundo.

- Ela quer se desculpar, mas a manifestação dela no corpo da Angel foi muito forte, fazendo-a desmaiar – disse ela, triste.
- Ela disse que teve pesadelos ontem à noite e até acordou chorando. Será que tem algo a vez com aquela senhora?
- Acho que sim. A Angel quase nunca sonha. Sempre há algo de errado quando ela sonha.
- Entendo. Quando acha que ela vai acordar?
- Depende do tempo em que elas se comunicarem no inconsciente da Angel.
- Então elas estão conversando?
- Estão. – Rachel fez uma pausa, olhando para a filha e suspirando triste – E eu estou com medo disso. Muito medo.
- Por quê? Algo pode acontecer com ela?
- É praticamente um sonho, Justin. E quando a pessoa intrusa machuca a que está sonhando, ela fica machucada na realidade.
- Então... ela pode morrer se algo sair do controle?

Os olhos dela encheram de água e a mulher assentiu, cruzando os braços e olhando para a filha outra vez.

- Já que é um sonho, podemos acordá-la? Não quero que mais nada aconteça a ela, Rachel. Já não basta tudo o que passamos. 
- Eu te entendo querido, também queria isso. Porém, não podemos. Ela terá que acordar por conta própria.
- Maldita seja aquela velha desgraçada. – sussurrei, olhando para Angel do outro canto do quarto.

Só de pensar que não poderei vê-la mais, me dá um aperto enorme no coração. Como eu odeio aquela senhora. Por que ela não nos deixa em paz? Morre logo, velha psicopata.

Que vontade de chorar. Argh. Eu não posso chorar.

Não agora.

Não aqui.

Preciso vê-la sorrindo outra vez. Sentir seu abraço e saber que está tudo bem. Sentir sua boca na minha, seu calor no meu e me arrepiar com suas carícias.

- Justin? Você está bem?

Desviei-me de meus pensamentos e olhei para Jamie, que andava até nós e desviei o olhar, fungando em seguida.

- Quer que ela acorde logo, não é? Eu também quero.

Sorri triste e ela olhou para Angel, falando algumas coisas com Rachel, porém não prestei atenção. Não conseguia descartar a ideia de ela não estar mais aqui por causa daquela velha demoníaca. Eu tenho que fazer algo, mesmo que saia pior de como saí da última vez.

Mode Angel on*

Estava em uma sala escura e vazia. Silenciosa. Encolhi-me diante do medo e um sopro leve de vento me atingiu, fazendo meus cabelos balançarem levemente e minha pele eriçar. Não conseguia ver nada, muito menos sentir a presença de alguém ali. Comecei a andar e molhei meus lábios secos.

Já fazia um tempo que estava andando e não via nada além do preto infinito e do chão de madeira que pisava. Ela ecoava meus passos enquanto encontrava alguma forma de sair daqui.

- O perdão é o primeiro passo.

Encolhi-me mais ainda e respirei com dificuldade. Eu conhecia muito bem aquela voz.

- E eu acho que você deveria perdoá-la, minha pequena anja.

Senti uma lágrima rolar pelo meu rosto. Não sabia se deveria virar para trás ou permanecer ali, imóvel. Meu coração estava acelerado e mordi meu lábio inferior, passando minhas mãos por meus cabelos. Senti suas mãos tocarem meus ombros e meu corpo estremeceu com seu toque. Meus lábios tremiam e tentava ser forte o suficiente para não cair em lágrimas diante dele.

- Não precisa segurar, eu te deixo chorar Angel.

Outra lágrima caiu e a sequei rapidamente, passando a língua nos dentes e tentando parar de tremer.

- Não esperava me ver, não é?
- N-não. – respondi.

Minha voz nem saía. Era fato, eu não esperava vê-lo ali. Achava que daria de cara com a Martha tentando me matar ou coisa do tipo, mas não ele. 

- Posso adivinhar quem achou que seria?

Não respondi, não conseguia falar.

- Martha, eu imagino. Eu vi o que ela fez com você e com o Justin.

Estava chorando em silêncio e, ao ouvir aquilo, não me contive. Virei de frente para ele, porém não olhei em seu rosto, apenas afundei minha cabeça em seu ombro, chorando mais ainda. Senti seus braços me envolverem e ele me abraçou forte.

Nunca esperei vê-lo outra vez.

Sentir seu abraço outra vez.

Isso vai contra as leis lógicas da vida, mas eu amo isso.

- Sabe por que fiz aquilo? Atrapalhar você no meio do jogo? Precisava falar com você. Só não sabia que seria tão bruscamente, me desculpe.

Suspirei em seu ombro, com o rosto enterrado em sua camiseta pólo, que já encharcada pelas lágrimas.

- Não tem problema. – disse com dificuldade, que saiu em um som abafado pela camiseta.  
- Agora, vamos parar de choradeira. Seu sorriso é lindo demais para ficar escondido, querida. Deixe-me te ver sorrindo.

A voz dele soou serena e me acalmou muito, como sempre fazia. Sorri entre as lágrimas e ergui meu rosto, olhando nos olhos cor de mel dele e sorri com saudades. Muita saudade.

- Como senti falta disso... – disse ele, me abraçando forte outra vez e beijou minha testa, me fazendo derramar outra lágrima.

Abracei-o de volta e ele se desprendeu de meus braços, pegando em minhas mãos e me rodando, me fazendo rir.

- Duvido que os meninos não ficaram te olhando por causa desse short curto aí.
- Poxa pai, assim o senhor me envergonha. – sorri sem graça e olhei para ele, que tinha um sorriso orgulhoso no rosto.
- Você sabe que estou brincando, não é? Mas é verdade. Você puxou a sua mãe nesse lado.

Ri dele e mordi meus lábios, dando de ombros.

- Pai... posso te perguntar uma coisa? – meu sorriso sumiu e ele me olhou preocupado.
- Pode filha.
- Por que não controlou o ar ou o fogo para se salvar? Você tinha muito a viver pela frente. O Charlie poderia ter feito algo também, você sabe... feito o avião cair normalmente no chão ou sei lá. Não queria que isso tivesse acontecido.

Já estava chorando de novo e ele me olhava magoado.

- Eu sabia que era a hora, filha. Nem os poderes poderiam nos salvar. 

Não sabia nem o que responder. Suspirei triste e o abracei outra vez, me aconchegando em seu peito.

- Tenho que te falar o que vim para dizer. Não posso enrolar, você sabe. O Charlie quis que fosse breve.
- Ele te mandou vir falar comigo? – dei uma risadinha e ele sorriu.
- Mandou. Ele não deixa de ser meu pai, certo?
Assenti, dando de ombros e mordi os lábios. – Pode falar.
- Você tem que perdoar a Martha, Angel. Eu sei que ela fez coisas horríveis com você, sua mãe e com o Justin. Forçou você a fazer coisas que não queria, te enganou e te iludiu. Eu sei. Mas vocês têm que entrar em um consenso, não se esqueça de quem ela era antes de tudo isso.
- Tenho mesmo? – perguntei franzindo a testa, e ele assentiu.
- Tem, e não quero que fique magoada com isso que te falei. Pode parecer até chato, já que ela fez tudo àquilo contigo, mas tem um lado bom em tudo isso. O Charlie já fez a parte dele e estou fazendo a minha, falta você cumprir com a sua.

Fiquei em silêncio, pensando nas palavras dele. É fato que o Charlie tentou mudar a forma com que a Martha via o poder e a ganância, mas não tenho certeza de que ela irá cumprir a parte dela.

- Pai, eu posso até me desculpar, mas você sabe que não será a mesma coisa. Eu não confio plenamente nela como confiava. Não sei nem se vou querer mais que ela me dê aulas de piano ou ela querer que eu limpe sua casa.

Meu pai sorriu triste e acariciou meu rosto, afagando meu cabelo em seguida. Tive muita saudade disso, do carinho dele e dos seus mimos.

- Você não confia mais nela, eu entendo. Acho que nem eu mais confio, mas confio nas palavras do meu pai. Ele sim é um homem íntegro.

Assenti e molhei meus lábios, olhando para seus olhos por trás dos óculos estilosos que ele usava. Sorri e meu pai sorriu de volta, me aninhando em seus braços.

- Eu tenho medo de que eu me entregue de coração e ela me apunhalar pelas costas.  Não quero que isso aconteça comigo outra vez. Três vezes é demais e uma grande burrice.
- Tudo bem – disse ele, rindo das minhas palavras -, eu entendo seu ponto de vista, minha pequena anja. O que tem que fazer é pelo menos mostrar a ela que você a perdoa, mas não precisa se entregar se não quiser. Promete que fará isso por mim?
- Faria tudo por você, paizinho.

Ambos sorrimos e ele me abraçou, brincando com meu cabelo e deitei minha cabeça em seu ombro, lembrando do aroma do seu perfume fresco.

- Pai... – sussurrei.
- Sim?
- Quando vamos nos ver de novo?
- Quando me chamar.  Seus sonhos são a porta para isso.
- Então tá.

Meu pai beijou minha testa e me abraçou forte. Sabe aquele abraço que você não quer soltar nunca da pessoa que está abraçando? Era esse o que dei nele. Não queria que ele partisse outra vez.

De repente, ele começou a virar poeira e olhei assustada para ele, que sorria com lágrimas nos olhos e senti os meus encherem de água também. Era a hora da partida. Soltei-me de seu abraço e o vi desaparecer pela escuridão. Sentei no chão de madeira e abracei os joelhos, olhando para aquela imensidão negra e deixei as lágrimas rolarem calmamente por minhas bochechas.

- Pode deixar que farei o que prometi, pai. Deixarei o senhor orgulhoso.

Meus lábios tremiam e meu nariz não estava ajudando também. Respirei fundo e fechei os olhos, deitando minha cabeça em meus joelhos.

Preciso achar uma forma de demonstrar firmeza e confiança à senhora.

Preciso conversar com ela.

Entender esse mal entendido e corrigir os erros.

Suspirei e senti apertarem minha mão, ergui o olhar e vi Justin aliviado e o cenário mudava lentamente.

- Ah, finalmente! Você me assustou, sabia?

Não estava mais naquele lugar negro, e sim na enfermaria. Vi minha mãe ali e Hannah preparando uma injeção. Engoli saliva e Justin riu de mim ao perceber o motivo.

- Foi a Martha? – perguntou minha mãe, chegando perto da maca.
- Não. E olha que eu achei que seria ela. Você não vai acreditar em quem era, mãe.

Meus olhos se encheram de água e olhei para ela sorrindo, que começou a chorar também, entendendo meu olhar. Justin nos olhava confuso e ri dele, secando meu rosto.

- Depois eu te conto, tá?
- E com detalhes, muitos detalhes.

Ri de Justin e Hannah veio até mim com a seringa e aquela agulha gigante.

- Hannah, nem preciso de remédio, sério. Estou ótima! Só tropecei e bati de cabeça no chão.
- Sua mentirosa. – sussurrou Justin, me fazendo olhar enfezada e mostrei minha língua para ele.

Justin e minha mãe riram, e depois minha mãe disse a Hannah que estava tudo bem e que iria para casa logo depois de falar com o treinador. 

Os meninos não estavam mais na quadra e nem as líderes. Fomos até a cabine dele e Justin foi falar com os meninos enquanto teria que ser convincente – de novo, para o George.

- Angel! Você acordou!
- É... acordei – sorri torto para ele e sentei em uma das cadeiras, dando de ombros. – Desculpe por estragar o jogo, eu não sabia...
- Tudo bem garota. Só que você terá que me prometer de que isso não irá mais acontecer.
Sorri sem graça e assenti. – Eu prometo. Se acontecer, pode me expulsar do time.
- Expulsar você? Seria mais fácil expulsar o Somers e deixar ele na reserva, mas você não.
- Ah, por que com o Chaz? Ele é tão bom!
- Ele é um palhaço irritante. Simples. 

Ri de George e me levantei sorrindo.

- Quando será o meu próximo treino?
- Pode vir quando o Justin for. Você é parte do time agora, garota. Treinos fazem parte da nota de educação física.
- Sério? Nota extra é comigo mesmo.

O homem riu de mim e deixei a cabine dizendo que viria no próximo treino e ele me encheu de elogios, como sempre. Passei pelo vestiário e desviando dos olhares maliciosos e rindo dos gritos e dos elogios dos meninos. Parei na ala do Justin e ele estava sentado e conversando com os rapazes.

- Angel! – disseram Chaz e Ryan, em coro. – Nunca mais faça isso!

Os dois me abraçaram e fiquei vermelha de vergonha, os dois estavam sem camisa. Eu sei que não deveria pensar nisso, muito menos olhar, mas a culpa não é minha.

- Vocês estão me sufocando – disse, toda espremida por eles dois.
- Desculpa – disse Chaz, sorrindo triste.
- Mas é sério Angel. Você tava indo super bem e desmaia do nada?
- Pressão baixa. – disse Justin, levantando e entregando minhas roupas. – E temos que ir ao médico, não acha?
- Você sabe que é de família, amor. Não vou ao médico. – fiz careta e Justin me abraçou, rindo.
- Vai sim. Vamos brincar de ginecologista. – ele piscou para mim e o olhei com as sobrancelhas erguidas.
- Larga de ser safado. – disse, batendo no peitoral dele e pegando as roupas.

Chaz e Ryan riram da minha atitude e deixei a ala deles, procurando um lugar sem meninos para me vestir. No final do vestiário, encontrei um lugar calmo e sem rapazes. Troquei de roupa e voltei para a ala do Justin. Eles já estavam prontos e fomos para o Junior’s. Sentamos na mesma mesa – esse é praticamente o lugar “deles” – e Chris estava ali, falando ao telefone.

- Fala Chris! – disse Chaz, tocando com ele e sentando ao seu lado e Ryan fez o mesmo.

Sentamos do outro lado da mesa e Justin me olhou desconfortável. Eu também senti a mesma coisa que ele.

“Queria perguntar a ele sobre o dia do baile”, disse a Justin por telepatia “e o que ele tinha a ver com o plano do Liam.”

“Também quero, Angel. Temos que esperar.”

- E ai, o que vão comer? – perguntou ele.
- Um cheeseburguer gorduroso, como sempre. Jane, você já sabe, não é? – Chaz piscou para a garçonete e ela assentiu sorrindo.
- E o meu também, Jane. Fritas com queijo.
- Podemos dividir, Ryan? – perguntei.
- Claro Angel.  sorri de volta.
- Um milk shake de chocolate para mim, Jane. – disse Chris, voltando sua atenção ao celular.
- Só coca-cola, Jane – disse Justin, enlaçando seu braço em minha cintura.

A moça anotou os pedidos dos meninos e foi atender a outras mesas. Aconcheguei-me no ombro de Justin e ele sorriu sereno, me fazendo sorrir de volta.

- Chuta quantas vezes eu já peguei a Jane, Angel – disse Chaz, me fazendo olhar para ele.
- Por que eu tenho que adivinhar?
- Porque os caras já sabem.
Sorri fazendo uma careta de desentendida e dei de ombros. – Em que escala? Uma a cinco?
- Por aí mesmo.
- Hm – mordi meu lábio e ergui uma sobrancelha a ele -, quatro.
- Não! Foram... espera.  ele fez uma cara de dúvida  Como você...?
- Chutei, ora. Não me mandou adivinhar, Charles? Depois do turno dela, atrás da lanchonete ou quando você ia “no banheiro” e a chamava? – perguntei sorrindo e os meninos me olharam surpresa.

É claro que li a mente dele, dã. Justin me olhou rindo e fiz careta.

- É... foi assim, praticamente. – disse Chaz, um tanto surpreso. – Três atrás da lanchonete e uma na “ida ao banheiro”. Você é boa.
- Só tenho bons palpites.
- Você é espiã ou algo do tipo? – perguntou Ryan, o que fez rir dele.
- Claro que não, eu lá tenho cara de espiã? Prefiro ser a nerd

Os rapazes riram e os pedidos chegaram. Chaz atacou seu lanche e Chris o seu milk shake. Justin abriu sua coca-cola e pegou uma batata e fiz o mesmo.

- Vocês faltaram às aulas todos esses dias. – disse Chris, erguendo seu olhar para mim.
- E como você sabe? Tá estudando lá agora Christian? – disse Justin, em um tom grosso.
- Não fala assim com ele Justin. Faltamos sim, tivemos uns problemas. O Justin machucou a perna e faltei para cuidar dele.
- Alguém te bateu, Bieber? – Chris disse em um tom zombeteiro, sorrindo em seguida.
- Eu não...
- Chris, eu sei que você é amigo do Justin, mas são coisas nossas, ok? Você não precisa saber. – ergui minhas sobrancelhas a ele e molhei meus lábios, pegando outra batata.
- Cara, você poderia muito bem dormir sem essa! – disse Chaz, cutucando Chris com o cotovelo e ele o olhou bravo, tomando mais do seu milk shake.
- Não quero que leve a mal, tudo bem? Só não quero que briguem.
- A Angel tá certa. Vocês são amigos, não deveriam brigar por coisas idiotas.
- Ta bom, desculpa Biebs.

Justin assentiu e me ajeitei, ficando em seu ombro outra vez. Ficamos conversando até terminarmos de comer. Chaz brigou com o Ryan por ele ter mordido a Tifanny – sim, o lanche dele agora chamava Tifanny – e ele levou uns tapas cheios de gordura por isso. Rimos bastante dos dois. Chris se entendeu com Justin, mas ele estava mais quieto. Eu queria ler a mente dele só para ver porque ele estava metido nisso tudo, mas, me senti muito invasiva. Eu sei que eu tenho todo o direito, já que eu que sofri as consequências, porém seria errado.

Agora não era o momento.

Eles foram pagar e insisti pelo menos pagar a metade das fritas, mas nenhum deles deixou. Revirei os olhos e disse ao Justin que os esperaria lá fora. Fiquei escorada na parede, olhando para a rua calma. Não demorou muito para a primeira parte do meu plano funcionar. Chris saiu primeiro que os outros meninos e fiquei de cabeça baixa. Ele ficou escorado ao meu lado e virei para ele, o fitando.

Chris parou de mexer no celular e me olhou de soslaio, sorrindo malicioso em seguida.  

- O que foi anjo? Se perdeu na minha beleza?
- Me perdi sim, Chris. – disse, com uma voz sexy – Se quer saber, você é muito mais sensual que o Justin. Você me deixa louca só de te olhar.

Ele mordeu os lábios lentamente e olhei em seus olhos verdes perdidos na luxúria. Adoro esse poder.

- Você também me deixa assim. – disse ele, chegando mais perto – E falando desse jeito – ele colocou uma mecha do meu cabelo atrás da minha orelha e conseguia sentir o hálito quente dele em minha face -, você me deixou muito excitado.
- Sério? – deslizei meus dedos pelo seu peitoral e conseguia sentir seu abdômen definido por baixo da camiseta. Ele seguiu-os com os olhos e continuei – E se eu te perguntasse por que estava ajudando o cafajeste do seu amigo, você ainda ficaria assim?

Chris me olhou um tanto surpreso e olhei em seus olhos outra vez. Molhei meus lábios e ele respirou fundo, se encostando à parede e desviando o olhar.

- Vamos, pode falar. E se não contar, direi ao Justin que tentou me beijar.
- Mas eu...!
- Shh... – coloquei meu dedo indicador em seus lábios e o olhei sedutora – não precisa ficar assim, querido. É só falar para a Angel aqui e não falarei nada ao Justin.
- Só se tiver algo em troca.

Revirei os olhos e ergui uma de minhas sobrancelhas a ele.

- Fale agora. – disse autoritária e o olhar dele mudou no mesmo instante, ficando hipnotizado.
- Ele ficou com o meu celular antes da festa começar. – a voz dele era monótona e o rapaz olhava para a rua com cara de demente – Não sabia para que ele iria usar, mas ele quis meu celular.
- Ótimo. – disse, satisfeita – Ele te obrigou a mais alguma coisa, Chris?
- Não. Só me lembro de ele dizer algo sobre ter você para ele e tirar o Justin do caminho.
- Tudo bem, isso eu já sei. Acorde e pegue seu celular, mande mensagem para qualquer garota que coma com frequência, mas não repita o que fez.  

Ele perdeu aquele olhar hipnotizado e pegou o celular, fazendo o que mandei. Sorri satisfeita e escorei na parede um pouco longe dele para não desconfiarem. No mesmo instante, os meninos surgem na porta e sorrio para Justin, que me abraçou em seguida.

- Vamos para a minha casa?
- Claro cara! – disse Chaz, me fazendo rir.

Entramos na Range e Justin nos levou até sua casa.

“Tenho novidades”, disse a ele, sorrindo “e são ótimas. Só não sei se vai gostar da metade dela.”

“Quais são?”

“Só vou contar quando estivermos sozinhos.”   

- Ah não! – disse ele, me fazendo olhar para ele. Justin notou que disse isso alto e me olhou surpreso.
- O que foi Justin?
- Esqueci de falar uma coisa para o treinador. Merda – mentiu ele, socando o volante.

“Que grande mentiroso.”

Sorri de cabeça baixa e ele olhou para mim, sorrindo.

“É claro. Nós andamos muito mentirosos esses dias.”

Assenti e ri baixinho, fazendo-o sorrir e voltar sua atenção na estrada. Chegamos e os meninos entraram fazendo barulho, como sempre. Justin olhou aquilo balançando a cabeça negativamente, me fazendo rir.

- Um bando de animais. – disse ele, fechando a porta depois que entrei.
Dei de ombros. – Normal.  

Eles já estavam na cozinha e Pattie falava brava com eles. Nós dois começamos a rir e fomos até lá para ver o que eles estavam fazendo. Os três tinham brownies nas mãos e sorri sem graça.

- Meninos! – disse ela, brava – São para as crianças!
- Mas está tão bom! – disse Chaz, devorando o segundo.
- Pattie, eu dou um jeito nos meninos. Leva os brownies para os pombinhos.
- Obrigada querida, eles iriam acabar com tudo!

Sorri assentindo e peguei uma panela, procurando os ingredientes.

- O que vai fazer Angel?
- Surpresa. Podem subir, não quero nenhum menino aqui, nem você Justin.
- Tá me expulsando?
- Não estou te expulsando, só quero fazer uma surpresa. – fiz bico e ele me olhou sorrindo.
- Tudo bem, eu espero.

Ele subiu junto dos meninos e Pattie desceu, me olhando sem entender.

- Você fez mesmo eles subirem sem brigar com eles?
- Prometi algo em troca, claro.

A mulher riu e se encostou a pia, me olhando procurar as coisas.

- O que vai fazer?
- Surpresa. Só quero que me ajude a achar as coisas, estou perdida aqui.
- Tudo bem, eu te ajudo.

Pattie foi pegando as coisas que pedi e ficou me observando fazer minha façanha. Nem ela conhecia o doce. Aprendi a fazer com uma amiga minha, e ele é muito bom. Só acho que eles vão amar e pedir por mais quando comerem.

*** 
Hey Geliebers *-*

Desculpem a demora, fiquei mais de uma semana sem postar. Passei o carnaval festando -q mentira, fiquei no tédio com a minha prima swaggueira no meio da minha família toda bebendo e comendo, é. Tirei tanta foto minha que até estranhei '-' E tava meio enrolada, só conseguia entrar de noite e minha mãe cismou comigo de querer que eu vá dormir cedo u-u 

Chega de falar de mim, rs. Voltando a parte que interessa, fiz um big de presente pela minha ausência. *-* Ah, e gostaram do novo layout? A Bia Angel (@biebersconnect, sigam ela minhas lindas >.<) que me ajudou a colocar. Ficou bem meiguinho, fala sério (: 

O aviso que queria dar a vocês é sobre os dias de postagem. Lembram que eu disse que cada escritora do blog teria um dia específico? Então. A Lari e a Gi Flório já estão certas. As duas vão postar no final de semana por conta da escola, porém a Gi Flório vai postar apenas algumas vezes no mês, ou seja, vocês não podem ficar tristes ou bravas com ela se ela não postar. Ensino médio pega pesado ): 

Já eu, a enrolada da história, não sei ao certo. Uma hora meus professores falam que vai ter aulas de laboratório depois do carnaval, depois falam que serão apenas em Março, argh. Não sei mais em quem acreditar. Mas eu vou tentar postar em um dia de semana ou dois, não tenho certeza ainda. A escola, pelo menos a minha, pega pesado no Ensino Médio e eu quero ser algo na vida, rs. Tenho que estudar e ser pontual com as lições de casa, além de que, mês que vêm, euzinha que vou limpar a casa, todo santo dia, tirando as aulas à tarde, meu inglês, e mais minha manicure semanal. Espero que me entendam se eu ficar durante muito tempo ausente, é a barra que pesou pra mim. :/

Voltando para a ib, eu chorei escrevendo a parte do pai dela. Sei lá, fiquei tocada, rs. Quem achou que era a velha demoníaca levanta a mão! o/ Peter surgindo das cinzas. Fiz muito drama na parte do Justin, meu deus u-u E a Angel dando uma de sedutora pra cima do Chris e ele caindo na armadilha? Eu ri imaginando a cara do Chris quando ela cortou ele, ashauis. Qual será o doce que a Angel vai fazer para os meninos? Será que a Sra. Stubin quer mesmo pedir perdão a Angel? E o Liam sumido? Só no próximo capítulo, haha. 


Continuo com mais de 40 comentários! *-*

Indicações: 
http://imaginebelieberbianca.blogspot.com.br/
http://ibimagineebelieber.blogspot.com.br/
http://takeyoubieber.blogspot.com.br/
http://dreaming-with-justinb.blogspot.com.br/

Respostas para os comentários:

Antes de citar alguma menina, eu ri dos comentários de vocês sobre o beijo do Justin. E é pura verdade. Eu quero saborear aquela boca gostosa, rum. Sou safada mesmo, me ignorem u-u. Falando assim meu marido me mata, né Fê? asuihsiu -q Sigam ele, ok? @drewhelp meu marido é um amor ♥ 

Brithanny: 

Não foi nenhum que você pensou, né? kk Nem eu achava que iria fazer com o Peter, mas saiu! O Liam sumiu legal u-u vamos ver o que faço com ele, muahaha. Estou esperando seus desenhos ansiosamente *u* 

Anony que disse que estava triste comigo: 

Por que tá chateada comigo? Agora eu que estou triste ): E nem sei o que fiz ): ): Desculpa D':

@anaclara_pn: 

kkkk, Sra. Stubin ultra bipolar! Seria mesmo, mas eu ainda vou fazer, espere por isso, muahahaha! rs Quero o desenho, hein! O esboço tá lindo lindo >.< Chris, faça o favor de sair cara, eu quero meu desenho D: shausaishui  ~desesperada mode on~ vou imprimir todos e colar na parede do meu quarto u-u 

Ana or Blueandpink:

Fiz o Chris aparecer, hein? Tava na hora u-u Agora falta só o Liam dar as caras, não acha? Aquele vadio, argh. U-U  

Anony que me mandou mandar (wtf?) um e-mail para ela:

Já mandei, viu? o meu e-mail é giovanna__amorim@hotmail.com *-*

Jaqueline: 

Vou te falar a verdade, girl. Eu nem sabia quem era Kylie Jenner, podem me xingar, rs. Eu vi a foto no weheartit e achei idêntica a Angel que eu imaginava, apesar de faltar algumas coisas. Depois que algumas meninas comentaram que era a Kylie que eu fui ver que ela era irmã das Kardashians e tal. Ela é linda, meu deus. E é sim a Kylie (: 

Gostaram? Comentem!


Para um fim de post, alguns desenhos que me mandaram e mais uma sessão de fotos da "Angel" para vocês verem como eu a imagino. 

Primeiro, vamos aos desenhos.


Esse aqui é o esboço do desenho da @anaclara_pn. Muito perfeito, gente *-* 
Quero ver o desenho inteiro logo, haha! 


Esse foi a Heloisa quem fez e me mandou por e-mail.
É uma montagem muito meiga! Meiga ft. perfeita. 
Achei a cara da Angel *---* 

Agora as fotos da Angel. 


Nunca iria esperar encontrar alguém famoso para representar a minha Angel, mas ela é parecidíssima com a Kylie Jenner, pelo menos no meu ver. Essa foto foi uma anony linda que mandou nos comentários, porém eu tenho muitas, rs. 







Me passa um pouco da sua beleza Kylie u-u 

E para finalizar, uma montagem que minha prima me mostrou da Kylie e do Justin, outra perfeição *w*



Like Angel e Justin juntos. (':

Amo vocês meninas! Do fundo do meu coração *-* 
Beijos, da Gih! :3